Pular para o conteúdo principal

Translate

A primeira vez a gente não esquece

Primeira vez seja lá o que for é sempre espectativa


Primeira vez a gente não esquece. É verdade, pois sempre pensava quando os meus 18 anos chegassem poderia fazer de tudo, dormir até mais tarde, ir para baladas, ver filmes proibidos, ficar em casa sozinho, então quando finalmente alcancei a idade para poder fazer todas essas coisas e outras mais,aproveitei num desses feriados longos meus pais resolveram viajar para o sitio, isso me fez pensar na chance de ficar pela primeira vez sozinho em casa, mas a minha irmã teria que ir com eles (é claro) e eu teria que arrumar alguma desculpa para não ir.
Primeira-pensando

Fiquei todos os dias pensando qual seria a desculpa para não ir ao sitio e ficar sozinho em casa pela primeira vez, e pensava na escola, comendo, jogando bola, enfim eu era uma verdadeira máquina de pensar, até que veio a ideia de dizer que não iria para o sitio, pois teria que estudar, claro que eles não acreditaram, principalmente a minha irmã, mas achei uma desculpa perfeita que no meu entender ninguém suspeitaria e foi o que aconteceu, eles foram para o sitio ficando sozinho em casa pela primeira vez.

Primeira-vez-esperando-a-turma

Sem perder tempo me sentindo homenzinho, espalhei para todos os amigos que estava sozinho em casa pela primeira vez, nisso um deles teve a ideia de fazer uma festinha já que a casa estaria mesmo vazia (só eu nela) convidando algumas meninas do bairro, imediatamente a ideia foi aceita e ficamos esperando as meninas chegarem na porta de minha casa.
Primeira-vez-empregada

Já com a festa começada notei que faltava algo, o que eu poderia oferecer para todos comerem, pois não sabia fazer nada e aquela situação era a minha primeira vez, novamente me vi pensando até lembrar de dona Jurema (empregada da vizinha), fui no freezer peguei 2 frangos, perguntei se ela poderia fazer para mim, pois meus pais tinham viajado e eu estava pela primeira vez sozinho em casa, ela ficou comovida com a situação e prontamente concordou.
Primeira-minha-festa

A bagunça (a festa) estava bem animada com todos dançando, rindo, falando alto, passado alguns minutos dona Jurema deu um berro avisando que o frango estava pronto, pedi para que ela deixasse na mesa por estar ocupado falando com DJ da festa e como era a minha primeira vez claro que eu estava ainda mais atrapalhado do que já sou.
Primeira-raiva-do-frango

Quando cheguei na cozinha vi o frango quase desmaiei, pois tinha pedido para dona Jurema fazer 2, mas só tinha 1, queimado e pirata, pois estava faltando uma coxinha, dei um berro, falei um monte que todos ouviram, as meninas começaram a reclamar que estavam com fome, eu tentando acalmar a todos, nessa minha primeira vez não tinha nada para oferecer, então elas revoltadas começaram a ir embora, meus amigos em solidariedade fizeram o mesmo.
Primeira-vez-me-virar-sozinho

Sem chances de evitar a demandada deles, triste, tentei me conformar fazendo um ovo pela primeira vez para comer sozinho, peguei o livro de receita da minha mãe, eu era o retrato do fracassado da minha primeira festa e pior, para meu desespero teria que arrumar a bagunça que ficou pela casa toda.

Lição: A primeira vez a gente não esquece, então sempre que for arrumar uma festa sem a presença dos seus pais, peça primeiro a eles e depois com carinho fale com a sua mãe pra deixar algo pronto para poder oferecer as visitas.

Beijos 

Conto do Guri.

Comentários

  1. Ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii teu cantinho meu amigo e eu como Vovó não posso deixar de seguir os Contos do Guri :-) Passando para um xêro e te fazer um duplo convite, primeiro meu niver e segundo o niver de 1 ano de uma das minhas ilhotas, a do Amor e por conta deste evento estou lançando uma brincadeira. Aparece na Ilha para se inteirar e claro participar :-) Grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza muitas coisas marcam a nossa vida, a nossa infância e lembramos para sempre! bjo

    ResponderExcluir
  3. oi!
    Também pensava que quando tivesse meus meus 18 anos faria tudo que quisesse :D
    Mas não foi bem assim... mas não tenho do que reclamar ;)

    Mas um ótimo conto do Guri :)
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkk, vou mandar meus filhos lerem isso assim se eles tiverem a ideia de fazer isso já sabem como proceder, ou melhor como não proceder ...
    Mas é por aí mesmo quando a gente acha que já sabe de tudo e quer mostrar ao mundo que é poderoso rsrsr.
    Bom, de tudo ao menos tu aprendeu uma lição, planejar e preparar tudo antes do evento ... Adorei o conto Rafa!

    Bjos
    Minda ❤ 😍

    ResponderExcluir
  5. Antes de tudo tem que ter a permissão dos pais sim rs. Ótimo conto, nessa idade todos sempre achando que sabem mais né.

    ResponderExcluir
  6. Oi Rafa, muito bom seus contos...a rapaziadas deveriam da uma lida nesse conto rsrsr bjs.

    ResponderExcluir
  7. Hahah que situação heim, nunca fiz esse tipo de coisa, mas adorei sua experiencia beijos

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Que coisa
    Lembrei do Todo mundo odeia o Chris
    Só se ferra kkkkkkkkkkk
    bju

    ResponderExcluir
  9. Antes de fazer uma baguncinha peça permissão aos pais, quem sabe eles não te ajudam a deixar tudo preparado e não passar vergonha,kkkkkk

    ResponderExcluir
  10. Rafa eu nem sempre fiz o que queria.
    Fesra em ksa nem pensar e aos meus 18 anos eu estava casada e com neném de 1 ano kkk pra vc ver ne hj ele esta com 19 anos.
    eu não tive muito adolescência casei cedo kkk
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Rafa,amei a sua história!
    acho que todo mundo pensa desta forma,ficar maior de idade para fazer tudo o que os pais não deixam,mas quando agente cresce fica de maior agente percebe que é totalmente diferente esta vontade,e com certeza que as primeiras vezes agente nunca esquece e esta sua é de fazer agente morrer de ri,mas tbm essa dona Jurema pisou na bola feio hein! Onde já se viu além de não fazer os dois frangos,ainda rouba uma coxinha.
    Que sua história sirva de lição para os novos Guris.
    Bjsss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Esse tanto tempo

Tempo brinca na vida, quando vamos ver, não há mais tempo
O tempo não me roubava vocêNum tempo em que nada me roubava você  eram seus olhos que podiam tocar todos os meus momentos  As suas palavras pulsavam como um sempre no meu coração  Minhas imaginações trasbordavam de um novo mundo todos os dias com você Isso o tempo malvado levou e aqueles momentos juntos com você se foram  pra bem longe de mim  Os seus olhos parecem estar proibidos de tocarem 
aqueles momentos nesse hoje Mas suas palavras ainda estão aqui como sempre,  não são como antes por não poder ouvir como antes,  mas sim como posso agora Sabe aquele jeito que você tem quando assopra tirando o cabelo do rosto?  Na minha imaginação é um jeito seu de me seduzir, engraçado né? E sem saber você me conquistava cada vez mais,  eu sei do medo que tem...  Sim foram muitas coisas que aconteceram durante esse tempo Esse tanto tempo que fez sem remorso acontecer espaços,  acho que a minha insegurança que ficou mais visível que a sua  É, acho que isso é…

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…