Pular para o conteúdo principal

Translate

Um reveillon inesquecível

Reveillon na praia recordações nada boa


Reveillon eu sei que já passou, mas gosto de contar momentos passados por mim onde de alguma maneira me marcaram e esse momento em especial marcou e muito.

Reveillon-crianças
Era costume familiar passar reveillon reunidos numa confraternização bem gostosa, apareciam primos e primas que já não via a muito tempo, sendo assim teria mais gente pra brincar.
Reveillon-família
Nesse reveillon tinha aproximadamente sete anos, ainda era meio confuso na minha cabeça do porque a maioria das pessoas usavam roupas brancas ou amarelas.
Reveillon-fogos
Meus primos eram bem mais velhos e isso não me interessava, afinal era mais gente para brincar e isso era o que realmente importava, só que nesse ano eles queriam inovar e resolveram ir para a praia passar o reveillon lá, ficariam um tempo com as famílias como de hábito e depois todos os primos, primas iriam para a praia ver os fogos.
Reveillon-praia-noite
Nunca tinha ido para a praia a noite ver os fogos do reveillon e com certeza seria uma maravilha ver tudo ao vivo e a cores, mas tinha um contra, a minha pouca idade, com certeza minha mãe não deixaria mesmo argumentando que minha prima (também nova) com sua amiga também iriam, meus primos falaram, e nada de convencer minha mãe, até que meu pai teve uma brilhante ideia ao dizer pra minha mãe ir junto. Sendo assim, ficou decidido que minha mãe também iria e consequentemente eu estaria junto, é claro.
Reveillon-muita-gente
A praia de noite estava lotada de gente para ver os fogos da virada do ano, eu não entendia o porque, pois sempre achava que praia era bom de dia e pensei que talvez fosse a primeira vez de todos também para ver os fogos de reveillon naquela noite.
Reveillon-moças-dançando
As horas foram se passando e como sou curioso vi um grupo de mulheres todas de branco dançando e girando o corpo de um lado a outro, sem entender nada, resolvi me aproximar, quando de repente uma delas veio em minha direção começando a falar um monte de coisas que não entendia nada, mas só sei que dei para correr e a dona atrás de mim falando sem parar, isso tudo no reveillon.
Reveillon-criança-chorando
Chorando muito cheguei até a minha mãe que sorrindo me abraçou dizendo ser bem feito, pois não deveria ter me afastado dela, principalmente em lugares cheio de gente.

Bem, a verdade é que desde esse dia do reveillon não quero saber de praia a noite nessas datas, pois aquele momento me marcou de verdade até hoje.

Beijos
Contos do Guri


Comentários

  1. oi!
    Gostei do conto :D
    Minha família também costuma se reunir para o reveillon, mas quase nunca usamos branco. A maioria das vezes estamos de pretos ou outras cores, o branco é raridade ;)
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Engraçada a história, mas no momento deve ter sido apavorante a ponto até de chorar.

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkk, imagino o susto que tu levou ...
    Mas de qualquer forma é maravilhoso estar com as pessoas da nossa família.
    Muito bem descrito Rafa, adorei!

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  4. Muito legal sua história, reveillon sempre é bom, mas criança sempre tem suas curiosidades e medos né? bjo

    ResponderExcluir
  5. Oi Rafa,que susto hein!
    Acho que se fosse eu estaria correndo até hoje.
    Sempre tive medo dessas coisas,não gosto de passar nem em encruzilhadas onde tem oferendas,mas respeito.Porém mesmo com esse grande susto deve ter sido legal esse reveillon,ficou na memória né? Parabens pelo texto,adorei!
    Bjss
    Amei o texto

    ResponderExcluir
  6. Eu odeio passar o ano na praia pq um belo ano eu e minha familia fomos e eu (ainda criança) tomei um banho de cerveja de um bebado. Desde então peguei trauma rsrs

    ResponderExcluir
  7. Que legal,amei sua ideia muito bom.Prende agente como em bons livros kk
    Abraços ;)

    ResponderExcluir
  8. Tadinhoo kkkkkkk deve ter sido traumatizante. Mas esse espírito quis te dar um susto por ter sido uma criança curiosa.
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  9. Aqui em casa passamos o Réveillon sempre juntos mais nunca passamos na praia ate porque aqui onde moro nao tem rsrrrsrsrs que pena! Eu tenho muitas lembranças boas da família que sempre irei guardar com carinho.

    ResponderExcluir
  10. Que susto que levou heim hahaha, não gosto de ir pra praia tbm não heheh beijos

    ResponderExcluir
  11. kkkkkkkkkkkkkkkkk que susto!
    Eu amo ir pra praia
    Aliás reveillon sem praia não é reveillon!
    bju

    ResponderExcluir
  12. Rafa gostei do conto que susto hein.
    Faz tempo q nao me reuno com a família no reveillon meu marido trabalha bjs

    ResponderExcluir
  13. Rafa reveillon acontece de tudo, geralmente o reveillon passo com a família, reveillon em lugares públicos que tenham muitas pessoas os pais tem que ficar atentos com os filhos, esse conto é até um alerta, bjs.

    ResponderExcluir
  14. MEU REVEILLON EU PASSO COM MINHA FAMÍLIA EM CASA MESMO,GOSTEI DO CONTO QUE SUSTO HEIN,NÃO GOSTO MUITO DE PRAIA PARABÉNS PELA POSTAGEM ABRAÇO

    ResponderExcluir
  15. como sempre arrasou na escrita adoro seus contos

    ResponderExcluir
  16. Kkkkkkk adorei o conto! Obrigado por compartilhar com a gente a sua história!! Rsrs

    ResponderExcluir
  17. Imagino o susto hahaha
    Tínhamos o costume de nos reunirmos. Mas o tempo passou e infelizmente nos afastamos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Pos é, Rafa! Imagino o susto, rsss! Deve ter aprendido a lição...!
    Gostei muito do seu blog e foi um prazer conhecer você. Também tenho um blog cultural...
    Sucesso e ótima semana!

    ResponderExcluir
  19. KKKKK amado eu adoro seus contos! este eu achei divertido kkkk isto deve ter te marcado mesmo kkkk fico muito feliz que você ter compartilhado, beijinhossssssss

    ResponderExcluir
  20. Olá Rafa!Gostei do conto,viajei na sua história pela forma que descreve não tem como não ir até lá,parabéns pelo belo texto! e que susto hem?você continua curioso? rsrs Te seguindo!parabéns pelo Blog!Um Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Parabéns!!! Amei o conto, você escreve com muita leveza, viajei lendo!bjs

    ResponderExcluir
  22. Achei muito legal a forma que você contou,eu viajei com as ilustrações deu um ar real.
    Eu sou louca para passar o reveillon na praia,mas moro muito longe,então é difícil me afastar da família.

    ResponderExcluir
  23. Amei o conto super legal, me coloquei no seu lugar. Que susto deve ter levado ein?!

    Bjokas da Vaci :*

    ResponderExcluir
  24. Oie, mais um conto legal, aqui em casa nunca tivemos o costume de usar branco, tb passei o reveillon uma vez na praia para nunca mais, detestei o tumulto. Mas praia a noite eu acho super agrdável, claro que sem ngm correndo atrás de mim rsrsrsrs
    bjos

    ResponderExcluir
  25. Eu adorei o conto.. muito show! vc escreve muito bem.. bjs e sucesso!
    www.karinapadilha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Gosto muito dos seus contos.A linguagem é clara e tem sempr uma mensagem para refletirmos.bjs.

    ResponderExcluir
  27. kkkkk achei engraçado, mais não queria ter levado essa susto não!
    é muito bom passar o réveillon com a família reunida.
    bjúús

    ResponderExcluir
  28. Rafa , seus contos são ótimos! Que susto heim? Nós costumamos reunir a família a Reveillon , nunca passei um reveillon na praia deve ser legal mas , sem susto né? Bjs.

    ResponderExcluir
  29. Nossa que susto em kkkkkkkk eve ter sido traumatizante.

    ResponderExcluir
  30. Oh,meu Deus!!
    Isso deve ter marcado muito você mesmo.Você ficou assustdo e isso é normal quando nós somos crianças.Eu gosto muito dos seus contos, são bem escritos e interessantes.Parabéns!! Bjss!!

    ResponderExcluir
  31. Com certeza foi marcante. Morei na praia muitos anos e nunca gostei de praia ate hj não gosto bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…