Pular para o conteúdo principal

Translate

Minha escola de mentira

Escola a continuação dos ensinamentos de casa


Minha irmã estudava de manhã na escola, eu também, um azar meu que agora explico o motivo, éramos pequenos ainda, ela com seus 9 anos, eu com meus 6 para 7 anos, por estudarmos na parte da manhã ficávamos a tarde todinha em casa, vocês já imaginaram o porque desse meu azar?
Escola-professora-irmã
Pois bem, a minha irmã tinha o costume de colocar suas bonecas(os) no sofá de casa para dar aula como se fosse uma escola de verdade(hoje ela é professora), ficavam um monte de bonecas(os) sentadas no sofá e ela dando aula, até ai nada demais, não fosse a ideia de me chamar para ser também seu aluno, eu é claro não gostava nem um pouco, pois seria o único ser vivo daquela turma composta de bonecas(os), além do que, eu queria ir para a rua jogar bola, correr, enfim, brincar com meus amigos não ficar em casa preso recebendo aula no meio de um "batalhão" de bonecas(os) e quando eu resolvia bater o pé dizendo que não queria, ela chamava minha mãe que vinha e me pedia para brincar um pouco com a minha irmã nessa escola de bonecas(os).
Escola-no-meio-dos-bonecos
Então, sem saída só me restava ser mais um aluno de minha irmã nessa escola de mentira, lá estava eu um ser vivo no meio de um monte de bonecas(os) inanimadas, isso é simplesmente algo muito chato, pois por ser o único ser vivente daquela "sala de aula" e daquela escola, adivinhem para quem sobrava fazer os exercícios dados pela minha irmã aos "alunos"? Acertou quem disse ser eu.
Escola-castigo
Quem ficava de castigo em pé olhando para a parede? Novamente acertou quem disse eu, pois nessas horas, parece o tempo não passar, aquelas "aulas" nessa escola de mentira demorava um tempão, eu sentado escutando meus amigos chutando bola na rua, até acredito que eles até faziam de propósito para aumentar a minha vontade de ir para a rua brincar e fugir dessa escola.
Escola-relembrando

Hoje revivendo esses momentos, de certo modo valeu perder algumas horas das minhas brincadeiras para receber "aulas" na escola de mentira de minha irmã, que hoje é professora, pois além de me explicar o que ela verdadeiramente aprendia na sua escola, me ensinou me comportar numa sala de aula e ao observar ela nos dias atuais o quanto tem de carinho pela profissão que abraçou desde pequena, com que entusiasmo fala de seus alunos e o prazer que tem em poder ensina-los a serem pessoas do bem sendo alguém na vida.

Ser criança não é fácil, quando se tem irmãos mais velhos, (risos). Como foi sua infância?

Beijos
Contos do Guri

Comentários

  1. Rafael só sobrava pra você, a infância foi muito boa, quando chegava da escola fazia logo o dever de casa, depois ia brincar na rua com as minhas amigas,os meus irmãos nunca me deram trabalho, a gente brincava todos juntos, Rafael abraços.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo! sabe amado minha filha também fazia isto com seu irmão kkkk talvez você não gostava kkkk mais é muito bom ter estas lembranças né!ser criança é maravilhoso! gostei de sua historia e me fez relembrar meus filhos! beijinhosssss
    Rúbia

    ResponderExcluir
  3. Eu tive uma infância ótima, apesar de ser filha unica vivia rodeada das primas e primos depois da escola

    ResponderExcluir
  4. Felizes são os que podem lembrar da infância com alegria não é mesmo,adorei o post,bjus.

    ResponderExcluir
  5. ai que texto lindo, você falar sobre sua infância faz eu aproveitar mais a minha.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Eu amei a minha infância!!
    Brinquei muito, pois naquele tempo não havia computador, tablet e todos brincavam das brincadeiras de rua, roda, etc...Aquilo que era brincar de verdade!! Parabéns pelo post.Bjsss

    ResponderExcluir
  7. O legal da infância é isso, é esses momentos são inesquecíveis.
    Amei teu texto Rafa, acabei lembrando da minha!

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  8. Ah Rafael, que legal ler um pouco sobre sua infância!
    A minha foi bem bacana, apesar de achar de deveria ter aproveitado mais, rsrs.
    Bjokas da Vaci :*

    ResponderExcluir
  9. Eu brinquei muito de aulinha, tinha umas gêmeas que viviam na casa ao lado do prédio e eu e uma amiga íamos sempre na casa delas para brincar de aulinha ou qualquer outra coisa do tipo. Brincávamos também de casinha e uma vez pegamos aquelas pedras areia (aquelas que riscam no chão) e desenhamos uma casa inteirinha no local onde o pessoal do prédio usava para estender a roupa, trouxemos travesseiros, bonecas, cobertas e utensílios e fizemos uma grande casa e brincamos até escurecer. Foi muito legal. Andava com meu irmão e seus amigos e aprontávamos várias coisas tb. rs Era uma época muito boa. Bjs

    ResponderExcluir
  10. A brinquei muito de aulinha, nos reuniamos pelos menos uma vez na semana desprezando as bonecas e indo para os cadernos, mas eu queria coisa de escola mesmo na de fingimento kkkkk, eu era chata....Minha infancia foi muito boa com respeito as brincadeiras de criança. quero voltar de novo rsrsrs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…