Pular para o conteúdo principal

Translate

Festa Junina

Festa junina, a história


Festa-Junina-barraca
Festas Juninas não gostava muito de participar delas talvez por ser meio tímido na época e festas assim sempre deixava a rua cheia de gente vindas de diversos cantos do bairro, então gostava de ir, mas não para dançar quadrilha ou me envolver nas brincadeiras que acontecem nelas e ser visto por todos me deixaria ainda mais envergonhado, na verdade o que eu mais gostava em festa Junina era de comer os deliciosos doces e salgadinhos, porém tudo isso foi até que.
Festa-Junina-surpresa
Até que a minha vovó com suas mãos carinhosas e habilidosas resolveu numa surpresa fazer uma roupa de festa Junina que todos em casa comentaram que seria o caipira mais bonito do Arraia dar Diurna (nome da festa) e isso já estava começando a me agradar, afinal quem não quer ser o mais bonito de uma festa? O meu pai assim que chegou do trabalho me viu com a roupa de festa Junina com todos a minha volta vibrando de alegria ficou meio desconfiado se eu usaria mesmo a roupa por saber da minha meia timidez, mas gostou da ideia e concordou com a mulherada de casa. 
Festa-Junina-arrumação
Antes da festa realmente começar fui ver e ajudar participando das arrumações nas barraquinhas , bandeirinhas e de vez em quando dar umas beliscadinhas nos quitutes deliciosos que chegavam aos montes para minha satisfação, acredito que na verdade era uma maneira de saber se eu teria mesmo coragem em usar a roupa que a minha vovó tinha feito com tanto carinho e perfeição, confesso que me dava aquele friozinho na barriga cada vez que a hora avançava e o começo da festa Junina estava cada vez mais próxima.
Festa-Junina-começando
A minha ansiedade foi tanta que eu cheguei na festa Junina muito cedo só com alguns colegas e outros nem conhecia por serem de ruas mais distantes que a minha, mas o importante que eu já estava lá e vestido de acordo como manda o figurino, os poucos colegas presentes faziam coisas me deixando mais a vontade, com isso meu nervosismo estava passando aponto de eu começar a receber as pessoas na festa mesmo as que não conhecia e foi justamente numa dessas pessoas que apareceu um colega mais velho (22 anos) com sua linda noiva que me despertou interesse com meus 17 anos de idade tal a sua beleza e acredito que nela também provocando desconfiança no seu noivo, mas.
Festa-Junina-cheia

Mas a verdade que em pouco tempo a festa Junina estava lotada num sucesso total e eu cada vez mais animado esquecendo até que um dia fui meio tímido, já participava das brincadeiras com desenvoltura sem me importar se tinha alguém vendo, cheguei a ganhar corrida de saco valendo brindes (bola de futebol), de repente um imprevisto na dança de quadrilha, o casal de noivos que vinha de outra rua não compareceu o que fez a organizadora da festa procurar outro par e adivinhem qual foi o casal escolhido? Sim, isso mesmo, eu a noiva daquele colega que a partir daquela festa casei 3 vezes com ela e.

Beijos
Contos do Guri


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…