Pular para o conteúdo principal

Translate

Fui com medo de avião

Medo devemos enfrentá-lo e prosseguir com o nossa jornada


Medo de avião, parece até título de música, mas não era e sim medo mesmo quando fiz a minha primeira viagem, como relatei no conto (Voltando aos meus 12 anos) meus pais não tinham deixado fazer aquela viagem de carro pelo litoral brasileiro com meus primos somente quando tivesse uma idade mais elevada, lembram? Pois bem, como o tempo não pára, esse dia finalmente chegou.
Medo-viagem-primo
Numa tarde ensolarada eu com meu gatinho Guifriudo (podem chamar de Gui) brincando na pracinha perto de casa, estava de férias isso me dava créditos extras para ficar mais tempo na rua, quando surge de repente meu primo cheio de alegria, veio me contar que iria viajar no dia seguinte, mas dessa vez com a permissão dos meus pais eu poderia ir junto e começou a contar um monte de coisas do lugar enquanto ele falava eu imaginava como seria.
Medo-no-aeroporto
Chegou o dia da viagem, meu primo veio cedo me buscar, eu sem saber para onde iríamos e nem como, mas se meus pais permitiram, então o lugar deveria ser legal e seguro, porém quando ouvi meu primo falar na emoção da viagem ser de avião , gelei de medo até chegar no aeroporto, nada tirava meu medo a ponto de ver nas pessoas os personagens dos filmes de terror, inclusive também um padre, que ao ver meu desespero, tentou rezar pra me acalmar.
Medo-avião-decolando
Contudo, meu azar não acabaria ali, seria maior o medo, pois de repente o tempo começou a virar e a minha primeira viagem seria com temporal, trovoada, relâmpagos, céu cinza escuro e eu nessa viagem cheio de medo num avião tão velhinho dando impressão que poderia quebrar a qualquer momento.
Medo-dentro-do-avião
Agora não tinha como desistir já estava dentro do avião tentando me acalmar, parar meu medo, fiquei quietinho torcendo para a viagem não demorar, quando sem esperar escuto uma voz meio rouca perguntando se estava tudo bem, dei um salto parando no colo de um senhor que fez uma cara feia e disse que era somente a comissária do avião e se eu poderia sair do colo dele.
Medo-parecia-castelo-Drácula
Finalmente chegamos (eu e meu primo) no tal lugar, meu primo se mantinha animado mesmo com o temporal que não parava, já eu, bem... Completamente em estado de choque querendo chegar logo ao local onde iríamos dormir; para meu desespero o lugar parecia aqueles castelos dos filmes do Conde Drácula daqueles bem sinistro de dar medo a qualquer mortal.

Por fim, essa foi a minha primeira viagem que não somente tive medo de avião, mas de avião, temporal, trovoada, que me fez prometer a mim mesmo e não tirei da cabeça, que nunca mais viajaria com esse meu primo e desde então comecei a viajar sozinho ou com colegas pelo Brasil todo, mas nunca em um avião sinistro de dar medo.

Lição: Aprendi que tudo tem seu tempo, que as vezes os nossos sonhos devem ser realizados somente por nós ou até você ter coragem em querer compartilhar esse sonho com um outro alguém sem medo do que isso posso representar.

Beijos
Contos do Guri 

Comentários

  1. Como sempre teus contos são ótimos Rafa, dá para ver que tiveste uma infância ótima e muito divertida apesar dos sustos que levou rsrsr ... Nessa vida devemos tentar de todas as formas sermos felizes, embora nem todos tenham a mesma chance ...
    Adorei o conto, me diverti lendo rsrs

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  2. Amei seu blog, fiquei encantada com os desenhos. Como é bom relembrar a infância, os bons momentos e até mesmo os sustos, não é mesmo? A minha primeira viagem de avião foi há anos, e graças a Deus foi tranquila!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Rafa!Seu blog e lindo.Lendo seu conto imagino,seu medo.Seu desespero no avião para piorar onde iria ficar parecendo castelos dos filmes do Conde Drácula.Beijos com carinho!

    ResponderExcluir
  4. Olha, não sou muito fã de avião, não..rs...
    muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Todos nós temos medo de algo nessa vida, e voar de avião acho que é um dos piores, ótimo o conto, Rafael bjs.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o conto,muito bom mesmo.Nunca viagei com temporal assim deve ser assustador mesmo.bjus.

    ResponderExcluir
  7. Que conto legal, da pra viajar lendo hahaha. Boa noite

    ResponderExcluir
  8. Oi Rafa,adorei o seu conto,me divertir do começo ao fim,imagino que deve ter sido asustador mesmo,ainda mais para crianças desta época que tinha medo de tudo,principalmente os mais tímidos. Não era o meu caso Rafa,da sua idade eu nunca tive medo de nada,principalmente de temporal,viajar de avião com temporal para mim seria puro divertimento,mas hoje,duvido,nem entro nele,o tempo de querer a adrenalina, superar os meu limites se acabaram.
    Parabéns pelo texto muiiiito bom!
    Bjsss

    ResponderExcluir
  9. GOSTEI DO CONTO,MAIS NÃO SOU MUITO FÃ DE AVIÃO NÃO,PARABÉNS PELA POSTAGEM,BOA TARDE!

    ResponderExcluir
  10. Adorei, meu sonho é viajar de avião, um dia vou realizar.

    ResponderExcluir
  11. Amado adorei sua historia, eu quando viajei de avião pela primeira vez, tive muito medo! kkkk parabéns pelo texto, como sempre adoro suas historias, beijinhossssss

    ResponderExcluir
  12. Nunca andei de avião, amei a sua historia.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Como eu adoro teus contos meu amigo, eu nunca andei de avião não sou nem um pouco fã dele hehe

    ResponderExcluir
  14. Que conto mimoso amei rsrsrsrsr ainda não tinha visto. Eu não tive medo no meu primeiro vo rsrsrsr, o Guri é bem guri mesmo rsrsrs!

    ResponderExcluir
  15. Que história legal, mas devia estar preparado para andar de avião, quando temos medo parece que tudo se complica mais.

    Bjokas da Vaci :*

    ResponderExcluir
  16. Rafael , eu adoro seus contos ! EU já viajei algumas vezes de avião mas , da primeira vez foi a viagem mais longa 11 horas de avião e eu não podia demostrar que estava com medo porque eu queria realizar meu maior sonho daquela época que era conhecer a minha família paterna que está toda na Espanha ,depois dessa viagem fiz outras mas dentro do país , confesso que fecho meus olhos na hora da decolagem e na hora da aterrizagem para fazer uma oração, bjs.

    ResponderExcluir
  17. mais um ótimo conto Rafael, os sustos fazem parte da vida, vc deveria apenas ter sido preparado para a viagem, talvez não tivesse tanto medo,rsrs os desenhos são ótimos, são teus? ótimo post, bjs

    ResponderExcluir
  18. E, que história hein!? Eu nunca que entraria no castelo parecido com o do conde drácula kkk Adorei a forma como conta histórias e nos deixa até os menores medos em coisas corriqueiras. Quando eu andei pela primeira vez de avião a comissária me pediu para parar de ir no banheiro rs Bjs

    ResponderExcluir
  19. adorei seu conto.. muito bom.. bjs e sucesso!
    www.karinapadilha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Eu tenho muito medo de avião, de qualquer forma, eu prefiro o ônibus mesmo,kkkkkk,pelo menos vai olhando a paisagem.
    Muito bom os seus contos, está de parabéns! Bjss!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…