Pular para o conteúdo principal

Translate

Férias para não esquecer

Férias, algumas delas não esquecemos


Férias para não esquecer pelo fato ocorrido numa de minhas férias escolares, pois sempre nesse período eu ficava na rua quase o dia inteiro, digo quase pelo fato da minha mãe manter um certo controle dessa situação, além do que meu pai nessa época trabalhava meio expediente que até então não sabia qual era o real motivo, mas hoje sei que era pra ajudar minha mãe a cuidar de mim.

Férias-e-almoço-em-família
Tudo começou quando eu estava em casa almoçando quietinho pensando na rua para brincar, mas escutava minha mãe toda orgulhosa conversando com o meu pai sobre as minhas ótimas notas na escola e o começo de minha férias escolares, do outro lado da sala minha vovó na sua cadeira de balanço com seu passatempo predileto de costurar, observando as trapalhadas da sempre brincalhona Pitucha (minha cachorrinha).
Férias-brincando
Já no fim do almoço comecei a ouvir a zoeira de meus colegas na rua brincando, logicamente que aquilo me deixou com mais vontade de estar lá com todos eles, esperei um pouquinho mais a minha mãe tecer elogios de mim para meu pai quanto a minha conduta escolar, tão logo ela terminou sem perder tempo perguntei se poderia ir pra rua brincar, não sendo o costume deles consentiram de imediato, até me espantei (acho que foram as minhas notas na escola) e lá estava eu curtindo as minhas férias junto com a turma jogando bola e outros soltando suas pipas.
Férias-Ajudando-um-amigo
De repente houve uma correria para pegar as outras pipas que passaram voando sem dono, eu como não poderia ficar sem perder essa fui também, só que pipa não é algo que goste muito, então logo desisti voltando para o campinho a continuar meu jogo de futebol, porém quando voltei encontrei um dos meus colegas sentado encostado na árvore chorando pelo fato da sua pipa ter ficado presa no arame farpado e é justamente ai que começa as minhas férias para não esquecer, pois para ele parar de chorar disse que pegaria a pipa em cima do muro presa no arame farpado.
Férias-machuquei-no-arame-farpado
Pois bem, fui fazer uma boa ação subindo no muro, um grande feito para meu início de férias, mesmo lembrando os dizeres da minha mãe para ficar quietinho e só brincar quando desse 3 horas do descanso do almoço evitando assim problemas, mas apesar de ter lembrado pensei comigo que não estava ali brincando e sim ajudando um colega, logo essas 3 horas de descanso não eram necessárias, pois bem, fui subir o muro e no instante que dei o terceiro passo escorreguei, me agarrei no arame farpado, acabei pendurado nele até conseguir sair, cortei o peito também, não preciso dizer que fui correndo chorando para casa.
Férias-pai-chegando-do-trabalho
Em casa minha mãe nervosa de ver tanto sangue no meu peito e mão não pensou 2 vezes em levar para o hospital, lá o médico disse não daria pontos para não ficar uma cicatriz feia, mas teria que cuidar bem e doloroso seria o tratamento, me restou escutar sermão desde o hospital, em casa minha mãe tentava falar com meu primo médico e contar o caso, vovó sempre carinhosa procurava acalmar minha mãe e Pitucha queria brincar comigo, já o meu pai... Bem; ele acabava de chegar do trabalho, sem entender nada do que estava acontecendo olhou para eu enfaixado, Pitucha sem parar de brincar comigo, vovó acalmando minha mãe enfezada e perguntou o que estava acontecendo e eu timidamente ou chorosamente respondi que essas férias seriam para não esquecer.

Lição: Foi desse dia em diante que aprendi os significados das palavras respeito, obediência e aceitar sempre as recomendações dos pais, pois por mais absurdas que possam parecer as suas recomendações, sempre serão as mais certas a seguirmos e respeitar mesmo quando a nossa prioridade seja curtir as férias, temos com certeza entender que nossos pais só querem o melhor para nós.

Beijos
Contos do Guri

Comentários

  1. Nossa que ferias em graças a Deus nunca fui de fazer estas coisas.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Férias era época muito legal, amava soltar pipa, jogar queimado... entre outras brincadeiras. Meus pais me prendiam bastante,mas eu dava um jeitinho de pular o portão kkkkk. Nessa onda de pular o portão, uma vez levei uma queda super dolorosa. O melhor que se tem a fazer é obedecer, para não acabar se machucando.
    Beijoos

    ResponderExcluir
  3. Que férias heim haha o melhor é obedecer nossos pais mas criança sempre quer brincar mas cuidado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Nossa que legal..eu amava amarelinha, queimada, handbol,tocar a campainha do vizinho e sair correndo kkk

    ResponderExcluir
  5. Olá tudo bom com você? Boa noite!
    Este período realmente é de que poder se dedicar aos filhos pois férias escolares sempre sobra prós país utilizar criatividades pra usar neste período com os filhos Bon tema que foi abordado..Bem legal este seu post até mas..

    ResponderExcluir
  6. oi tudo bem ??? adoro suas histórias e me divirto muito lendo-as
    bjus

    ResponderExcluir
  7. Acho ótima essa época que podíamos viver de verdade.
    Adorei a história, me trouxe boas lembranças
    bju

    ResponderExcluir
  8. Achei legal o tipo de post , meu deus você em era travesso kkk

    ResponderExcluir
  9. Menino tu é trakynas demais da conta! rsrs
    Ops era ....
    Realmente quando somos crianças não temos noção do perigo, e acredito que de tanto ver super heróis acreditamos que possamos ser também ... Tenho dois filhos (adultos), também me deixaram maluca quando pequenos ... rsrs
    ótimo post Rafa!

    Bjos
    Minda ❤ 😍

    ResponderExcluir
  10. Quando mãe fala não faz é bom obedecer, porque quando fazemos o contrario o pior sempre acontece.

    ResponderExcluir
  11. Deu para sentir a dor rs, que desespero da sua mãe hein, é sempre assim, quando não obedece coisas ruins acontecem, um beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…