Pular para o conteúdo principal

Translate

Você sabe andar de bicicleta?

Bicicleta me fez aprender a descobrir novos caminhos


Bicicleta num quase fim de tarde no sitio, meus pais e minha irmã pegaram as suas bicicletas e foram ver as babonas (vaquinhas) que meu pai cuidava como se fossem animais de estimação, na verdade eram mesmo, pois se comportavam como tais e eu sem saber andar de bicicleta ia sempre na garupa de meu pai ou ficava em casa.

Bicicleta-ou-jogando-bola
Por não saber ainda andar de bicicleta, arrumava outras opções de distração, sendo uma delas com a minha amiga, companheira inseparável (Pitucha), uma cachorrinha muito esperta e não era por ser uma "menina" que não brincava de bola comigo, sim isso mesmo, ficávamos horas sem cansar jogando bola até a noite chegar ou quando minha mãe me chamava para o banho, jantar e finalmente dormir.
Bicicleta-aprendendo
Na manhã seguinte todos de café tomado, vejo meu pai com seu jornal inseparável e minha mãe ao seu lado conversando com minha irmã, deveria ser coisas de mulher pensava eu, o fato que bem ia pegar a bola para brincar com Pitucha quando minha mãe deu a ideia para que meu pai fosse me ensinar andar de bicicleta, confesso que me deu medo, mas minha mãe falou que precisava ter coragem e enfrentar o medo e lá fui eu com meu pai aprender a andar de bicicleta, horas se passaram e nada de aprender andar naquele treco (bicicleta), tombos e mais tombos que pensei em desistir, mas meu pai disse para que eu não desistisse jamais.
Bicicleta-batida

Finalmente aprendi, porém ainda não saia sozinho de bicicleta mesmo sabendo que era necessário, pois como minha mãe disse, eu tinha que enfrentar meus medos, logo lembrei também da fala de meu pai para jamais desistir, foi com esses pensamentos na cabeça e dentro de mim, fui no meu primeiro passeio de bicicleta sozinho, até que me sai relativamente bem, mas como nada é perfeito, bati com a danada da bicicleta me ralando todo.
Bicicleta-tombo-chorando
Eu não sabia se chorava ou se iria para casa logo mostrar o estrago dos arranhados com os destroços da bicicleta, escolhi o primeiro, sim pessoal abri o berreiro chorando sem parar gritando pela minha mãe que veio correndo ver o ocorrido, mas que mesmo assim eu não iria desistir de andar sozinho com a minha bicicleta, claro que depois que meu pai remontasse ela.
Bicicleta-passeio-noite
Finalmente encarando meus medos (mesmo após aquela batida), não desistindo jamais, felizmente aprendi a andar com a danada da bicicleta com mais cautela e com materiais de proteção adequado para prevenção de acidentes, hoje ando a noite (adoro) para qualquer lugar mesmo distante fazendo desse meu lazer uma terapia para meus dias.

Lição: Aprendi naqueles dias não só andar de bicicleta, mas também com a minha mãe que devemos ter coragem para enfrentar os nossos medos e com o meu pai que mesmo parecendo impossível não desistir, pois se mesmo após ter tentado eu não conseguir, alguma coisa servirá como lição.

Beijos
Contos do Guri.

Comentários

  1. Nossa me levou ao tempo que aprendi a andar de bike para mim foi rápido! rsrsrs
    realmente nunca devemos desistir se não conseguimos devemos pedir ajuda agora desistir jamais!
    bjúús

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que já esqueci, faz muitos anos que não pego em uma bicicleta.
    Mas nunca é tarde para aprender né, tombos fazem parte rs bjos

    ResponderExcluir
  3. Aprender a andar de bicicleta é uma aventura para qualquer criança, principalmente quando tira as rodinhas né? bem legal sua história bjo

    ResponderExcluir
  4. O bom de ser criança é que tudo sempre é uma aventura, até mesmo as coisas mais simples, e enfrentar os medos parece tudo tão grandioso rsrs
    Tu pelo jeito sempre arteiro rsrs
    Como todos, adorei teu conto Rafa!

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  5. Nem lembro quando aprendi andar de bicicleta, mais sei que daqui pouco tempo será meu filho que irá aprender. E com certeza ensinarei a mesma coisa que seus pais te ensinaram, a nunca desistir!!

    Bom final de semana!!

    www.aesperadomeubernardo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. oi!
    na minha infância sempre quis ter uma bicicleta, mas meus pais não podiam me dar. Ate que nos meus 10 anos ganhei de presente do meu padrinho :D
    Tinha muito medo de me machucar,mas cai e levantei enumeras vezes ate aprender a andar de bicicleta ;)
    Adoro ler seus textos, me fazem lembrar do meu passado...
    bjo

    ResponderExcluir
  7. Nossa, Rafa... lembrei de mim... qnd ganhei minha bicicleta e fui andar com meu irmão... lá pelas tantas caí e me ralei toda, meu irmão ficou apavorado e chamou meu pai p me "recolher" na rua kkk ótimas histórias e o segredo é jamais desistir. Abraços

    ResponderExcluir
  8. Eu nunca aprendi a andar de bicicleta rsrs até hoje rsrs
    Eu brinco que não tive infância e agora depois dos 30 não consigo mais aprender pq o medo de cair é grande demais rsrsrs

    ResponderExcluir
  9. Oii,

    Agora fiquei pensando em como aprendi a andar de bicicleta, e não lembro acredita??? Sei andar, mas não lembro como aprendi, acho que foi com a bicicleta de algum amigo na infância.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu ainda tenho um sinal no joelho dos ralados nos tempos em que estava aprendendo a andar de bicicleta.Essas lições da infância acabam nos seguindo para a vida inteira não é.

    ResponderExcluir
  11. Ter uma bicicleta foi meu sonho de infância e eu demorei um século pra aprender a andar. Caí muito no processo e dei muitas risadas!
    Amei o post!
    bj

    ResponderExcluir
  12. eu caí horrores até aprender a andar, kkk acho que a maioria passa por isso beijos

    ResponderExcluir
  13. Nossa rafa não lembro como comecei a andar de bicicleta.
    Mas amei a sua história.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Esse tanto tempo

Tempo brinca na vida, quando vamos ver, não há mais tempo
O tempo não me roubava vocêNum tempo em que nada me roubava você  eram seus olhos que podiam tocar todos os meus momentos  As suas palavras pulsavam como um sempre no meu coração  Minhas imaginações trasbordavam de um novo mundo todos os dias com você Isso o tempo malvado levou e aqueles momentos juntos com você se foram  pra bem longe de mim  Os seus olhos parecem estar proibidos de tocarem 
aqueles momentos nesse hoje Mas suas palavras ainda estão aqui como sempre,  não são como antes por não poder ouvir como antes,  mas sim como posso agora Sabe aquele jeito que você tem quando assopra tirando o cabelo do rosto?  Na minha imaginação é um jeito seu de me seduzir, engraçado né? E sem saber você me conquistava cada vez mais,  eu sei do medo que tem...  Sim foram muitas coisas que aconteceram durante esse tempo Esse tanto tempo que fez sem remorso acontecer espaços,  acho que a minha insegurança que ficou mais visível que a sua  É, acho que isso é…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…