Pular para o conteúdo principal

Translate

Já tentou fugir pela basculante?

Basculante, fugas para as minhas brincadeiras


Basculante é um conto de quando eu era menorzinho sempre ouvia as amigas de minha mãe falando que eu era um menino traquinas e mencionava as minhas travessuras, inquietações e minha mãe na minha defesa respondia que era sinal de saúde, sendo assim, pensava comigo que deveria ter uma saúde privilegiada, pois em matéria de inquietações e travessuras acredito que eu era o campeão, até teve as minhas famosas fugas pela basculante (uma travessura).
Basculante-minha-Travessura
Foi numa dessas travessuras que meu pai chegando do trabalho mais cedo (meu azar) me pegou todo sujo jogando bola sozinho dentro do quarto fazendo uma tremenda zoeira, não precisa dizer que recebi uma bronca e o castigo seria inevitável, mas torcia para que eu ficasse no quarto que tem uma basculante, porque? Vai vendo...
Basculante-castigo
E a minha torcida deu certo, fui colocado de castigo no quarto de empregada sem poder sair para rua brincar, mas nesse castigo tinha uma janela (basculante) que dava para o corredor do prédio e que eu poderia fugir do castigo pela tal basculante, então fiquei pensando como seria essa minha fuga.
Basculante-no-castigo
Fiquei arquitetando meu audacioso plano de fuga, pensei nas inúmeras possibilidades, além de muita coragem para mais uma travessura, afinal teria que sair e voltar sem que meus pais percebessem que eu teria fugido pela basculante e saído do castigo.

Sempre que ficava de castigo era só fugir pela basculante brincar na rua e depois voltar como se nada tivesse acontecido, até que num dia qualquer e de azar meu, quando fui fazer mais uma fuga do castigo, aconteceu o inesperado, ao tentar fugir pela basculante acabei entalado nele, sem conseguir sair nem pra dentro de casa e tampouco para o corredor do meu prédio, fui ficando cada vez mais nervoso com aquela minha situação, até que chorando muito gritei pela minha mãe em socorro.
Basculante-bombeiro-mamãe
Minha mãe desesperada começou a gritar também por ajuda, o prédio todo apareceu num tremendo alvoroço, até chamarem os bombeiros que depois de muita paciência deles e choro de minha mãe, conseguiram me tirar daquela situação crítica de entalado numa basculante.

Claro que esse fato me serviu de lição, pois além de me ver numa situação de vexame, guardo até hoje na minha memória o rosto cheio de lágrimas da minha mãe e a partir desse ocorrido nunca mais tentei fugir pela basculante, pois fiquei mais quieto e mesmo se por algum motivo fosse parar no castigo não fugiria mais pela basculante e sim leria um bom livro até o castigo terminar.

Lição: Aceite o castigo como uma lição, pois mesmo parecendo que nossos pais estejam errados ao nos castigar, eles sempre estarão certos e só querem o nosso bem.

Importante: Foi assim nesse jeito meio torto (errado) que eu peguei o gosto pela leitura e nunca mais quis tentar ou fugir pela basculante.

Beijos
Contos do Guri.


Comentários

  1. Que guri mais arteiro hein!
    Respondendo a sua pergunta, se já tentei fugir pelo basculhante,não! Mas sempre entrei por ele,como sempre fui a mais levada dos irmãos,eu nunca esperava para voltar do passeio,vinha para casa sem as chaves,e entrava pelo basculhante.
    Mas voltando a seu texto,quero te dizer que amei,e feliz que vc saiu da situação embaraçosa.
    Tbm quero parabenizar seus pais,que souberão te ensinar muito bem,dando lhe castigos e merecidos,castigo este que te levou a ter gosto pela leitura.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Gente num acredito!
    Você aprontou uma "boa" heim?
    Fica uma lição, mas fica uma ótima história pra contar e ainda dar risada!
    Adorei
    ^^

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você! Amei a moral da história!

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkk tinha de ser tu né?
    Não eu nunca tentei fugir pela basculante, sempre fui mais calminha ...
    Gosto muito de ler teus contos Rafa!

    Bjos Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  5. Nossa fiquei imaginando a cena, que bom que esse mal feito te ensinou, a obedecer e que os pais nunca desejam o mal.

    ResponderExcluir
  6. Não, nunca tentei fugir pela basculante rs, aliás nunca tentei fugir de nenhuma forma de casa, não que me lembre haha

    ResponderExcluir
  7. Nossa caraca bem complicado né beijos

    ResponderExcluir
  8. Nossa rafa vc aprontava mesmo. Fugir pela basculante kkkkk
    Ainda bem que parou ne.
    Graças Deus não foi nada grave bjs

    ResponderExcluir
  9. Rsrs que legal, me lembrou gibis que eu lia, aqueles mais de conscientização. Parabéns !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Esse tanto tempo

Tempo brinca na vida, quando vamos ver, não há mais tempo
O tempo não me roubava vocêNum tempo em que nada me roubava você  eram seus olhos que podiam tocar todos os meus momentos  As suas palavras pulsavam como um sempre no meu coração  Minhas imaginações trasbordavam de um novo mundo todos os dias com você Isso o tempo malvado levou e aqueles momentos juntos com você se foram  pra bem longe de mim  Os seus olhos parecem estar proibidos de tocarem 
aqueles momentos nesse hoje Mas suas palavras ainda estão aqui como sempre,  não são como antes por não poder ouvir como antes,  mas sim como posso agora Sabe aquele jeito que você tem quando assopra tirando o cabelo do rosto?  Na minha imaginação é um jeito seu de me seduzir, engraçado né? E sem saber você me conquistava cada vez mais,  eu sei do medo que tem...  Sim foram muitas coisas que aconteceram durante esse tempo Esse tanto tempo que fez sem remorso acontecer espaços,  acho que a minha insegurança que ficou mais visível que a sua  É, acho que isso é…

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…