Pular para o conteúdo principal

Translate

Gostava de jogar bola

Jogar futebol é bom, mas tem que ter seus cuidados


Jogar futebol sempre gostei, e de brincar, seja qual fosse a brincadeira queria era estar participando, claro que tinha a minha preferida que era jogar bola, tanto é verdade que cheguei a disputar o campeonato carioca jogando pelo clube do meu de coração durante 2 anos, porém isso não vem ao caso agora, quero falar mesmo é sobre um time de futebol muito bom da minha rua a qual participava e todos os dias no mesmo horário eram para jogar bola.
Jogar-treino-futebol
Numa sexta-feira de dia nublado, meus amigos e eu ao mesmo tempo que jogando bola combinávamos quem poderia ser chamado para jogar contra o nosso time naquele fim de semana, as horas estavam passando e o pior que nada até aquele momento de encontrar um adversário para jogar o futebol, mas de repente Marcos chegou entre nós com uma novidade.

Segundo ele seus amigos de escola queriam jogar uma partida de futebol contra nós e se ele (Marcos) poderia marcar esse jogo num campo bem legal no bairro dessa turma, pois era a chance deles conhecerem o nosso time e queriam mostrar que poderiam ganhar da gente, como não tínhamos arrumado ninguém para jogar naquele fim de semana concordamos direto e cada um foi para suas casas se arrumar para o jogo, passado alguns minutos todos estavam prontos para ir ao local da partida que só Marcos conhecia.
Jogar-numa-casa-assombrada
Ao chegarmos lá, vimos uma casa toda caindo (lugar estranho), mas o nosso amigo Marcos nos tranquilizou dizendo que o campo de jogar era atrás da tal casa, que ele já tinha jogado muitas vezes e que realmente era um dos melhores campos de futebol que ele tinha ido jogar, com certeza vendo a casa com aparência de mal assombrada deixou a todos nós com a pulga atrás da orelha, mas como estávamos no local, não adiantava mais lamentar.
Jogar-torcida-enfurecida
Então, entramos na casa "assombrada" com cuidado de nada despencar em cima de nós, nos fundos dela ficava o tal campo de futebol que Marcos havia nos dito ser o melhor para se jogar e ele tinha jogado bola ali, então não tínhamos no que se preocupar, todavia ficamos ainda mais receosos de jogar quando nos deparamos com um monte de gente (torcida) pra ver o jogo com um olhar aterrorizante além de pendurados por todos os lados desse tal campo.

Jogar-bola
Começou o jogo com uma barulheira infernal até o meu time fazer o primeiro gol e tudo se transformar num silêncio, pensei comigo que agora tudo estaria sobre controle poderíamos jogar tranquilos, mas me enganei, assim que a barulheira retornou junto com a torcida deles enfurecida vieram os ameaços do tipo que ninguém ganhava no campo deles, que o time deles iria começar a fazer faltas na gente para machucar e que eles não iriam deixar o nosso time jogar direito.
Jogar-com-medo
Veio o intervalo do jogo para logo em seguida recomeçar a jogar, meu amigo Frank deu a ideia para que eu chutasse a bola bem longe e quando o time deles fossem busca-la nós mais do que depressa sairíamos correndo dali de volta pra casa, concordei e fiz o combinado, porém quando fomos correr eles perceberam e vieram atrás, Frank (meu amigo) arrancou a parte de cima do gol e ameaçou a todos caso fossem nos pegar, eu nem olhava para traz, só me recordo de uma porta estreitinha da casa onde passaram numa só vez todo o nosso time de futebol, meu pensando era de nunca mais ir para lá jogar futebol.
Jogar-perto-parada-de-ônibus
Por fim, tivemos até sorte, pois o ponto de ônibus estava próximo da casa de onde fomos jogar futebol e tinha um (ônibus) passando justamente naquela mesma hora, são e salvo dei Graças a Deus por nenhum de nós ter se machucado, conseguindo assim chegar em casa, apesar de nervosos, cansados, mas bem.



Lição: Nunca vá a lugares que não conheça mesmo se um amigo falar maravilhas sobre ele, pois o melhor a se fazer é certificar de como realmente o local antes de tomar uma decisão definitiva, mesmo que seja para jogar uma simples partida de futebol.

Beijos
Contos do Guri

Comentários

  1. Rafa essa é uma grande lição, nunca devemos ir para outros lugares que não conhecemos, pois lá pode está algo que não queremos encontrar,gostei do texto que ele sirva de lição para todos nós, bjs.

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida uma lição verdadeira essa.Ir a qualquer lugar sem antes ter referências do local é muito perigoso,ótimo post.bjus

    ResponderExcluir
  3. Amado quando se é jovem fazemos de tudo sem pensar! o bom disso é que aprendemos, está foi a uma grande lição! nunca devemos ir a um lugar que não conhecemos, como sempre amo seus contos, parabéns! beijinhossssssss

    ResponderExcluir
  4. Que lição maravilhosa, adorei ler esse post e me alertou mais ainda. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Postagem maravilhosa e serve como um alerta! SEMPRE DIGO ISSO P MEUS FILHOS.
    tODO CUIDADO É POUCO!

    ResponderExcluir
  6. Muito gente de machuca e perde a vida por não saber por onde andar, é isso ai mesmo Rafael o guri sabe o que faz

    ResponderExcluir
  7. Uau, que medo! há de ser ter cuidado por onde anda!

    ResponderExcluir
  8. Mais um conto incrível e que super lição não é mesmo Rafa?!
    É preciso mesmo nos certificarmos de onde estamos indo para evitar qualquer imprevisto.
    Bjokas da Vaci :*

    ResponderExcluir
  9. Que historia em Rafa um bom aprendizado vocês levaram consigo.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. muito legal, deve ter sido um baita susto, mas no final ficam as recordações da infância que sempre são importantes e preciosas,rsrs bjs

    ResponderExcluir
  11. Na juventude fazemos muitas coisas sem pensar rsrs, se bem que até mesmo ma maioridade as vezes metemos os pés pelas mãos, acho que o ser humano é meio imprudente as vezes ...
    Fico feliz em saber que nada deu errado e vocês voltaram bem para casa ... Como sempre um ótimo conto Rafa, ve-se que tua infância foi maravilhosa!

    Bjos
    Minda ❤ 😍

    ResponderExcluir
  12. Com certeza Rafael ,fazemos muitas loucuras na infância e adolescência sem prestar muita atenção nas recomendações , eu sou uma pessoa que procura sempre saber onde vou e como é o lugar porque sou medrosa talvez ou muito cuidadosa ,belo conto bjs.

    ResponderExcluir
  13. Ola meu amigo, adorei ler esse post uma ótima reflexão

    ResponderExcluir
  14. Amei o seu conto amigo!!
    Bem divertido e com uma bela mensagem.
    Realmente não devemos ir a lugares estranhos, mesmo amigos nos chamando.Parabéns pelo conto, muito legal.Bjsssss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Esse tanto tempo

Tempo brinca na vida, quando vamos ver, não há mais tempo
O tempo não me roubava vocêNum tempo em que nada me roubava você  eram seus olhos que podiam tocar todos os meus momentos  As suas palavras pulsavam como um sempre no meu coração  Minhas imaginações trasbordavam de um novo mundo todos os dias com você Isso o tempo malvado levou e aqueles momentos juntos com você se foram  pra bem longe de mim  Os seus olhos parecem estar proibidos de tocarem 
aqueles momentos nesse hoje Mas suas palavras ainda estão aqui como sempre,  não são como antes por não poder ouvir como antes,  mas sim como posso agora Sabe aquele jeito que você tem quando assopra tirando o cabelo do rosto?  Na minha imaginação é um jeito seu de me seduzir, engraçado né? E sem saber você me conquistava cada vez mais,  eu sei do medo que tem...  Sim foram muitas coisas que aconteceram durante esse tempo Esse tanto tempo que fez sem remorso acontecer espaços,  acho que a minha insegurança que ficou mais visível que a sua  É, acho que isso é…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…