Pular para o conteúdo principal

Translate

Conversei comigo

Comigo sempre converso, uma forma de me reencontrar


Olhando para o espelho perguntei duas vezes quem eu era, fui falando e a cada momento me ouvia diferente remendando alguns erros que ainda carregava no meu interior.

Aprendi que mesmo tudo parecendo real, não irei considerar assim, pois algumas surpresas sempre esbarrarão em mim, tem coisas que irão me fazer sorrir e outras em certos momentos não deixarão que eu permaneça sorrindo.

Aprendi a olhar as pessoas digamos mais "sério" porque de uma hora para outra elas poderão me decepcionar, mas não vou encarar como uma decepção e sim como uma chance perdida.
Conversando-comigo
Descobri também, não devo esperar alguém confiar em mim, pois na certa nunca confiarão, por mais que eu seja transparente nas minhas atitudes e gestos.

Passarei a ser menos brincalhão, mas isso não significa que não deixarei de tentar sempre fazer alguém feliz, é que as pessoas confundem esse meu jeito, como se bobo eu fosse e não como uma pessoa que só quer ver o sorriso nos rostos delas.

Ontem foi o dia da mentira, pois é, eu nem contei uma, mas contaram pra mim, me chateou um pouco, pois estava fazendo tudo pra agradar, mostrar que estou me esforçando pra quem sabe quando aprender bem, poder ajudar, mas isso já esqueci, afinal hoje já não é mais o dia da mentira.

Talvez seja esse um dos motivos para eu ter resolvido falar comigo mesmo de frente para espelho, pois certas coisas acumulam, sabe? E para não ficar imenso, resolvi mudar algumas coisinhas, ajustes necessários para que eu não me decepcione com as pessoas.

Algumas coisas irão logo notar e talvez possam até comentar, mas com certeza descobrirão como foi bom eu ter conversado comigo mesmo.

Beijos
Contos do Guri

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…