Pular para o conteúdo principal

Translate

Meu primeiro baile

Baile eu sempre gostei, mas esse...Confiram


Baile no início não gostava de ir, pois tinha aquela timidez de não saber dançar, meus colegas incentivavam e até chegavam a ser bem chatos com essa história de que eu tinha que ir.
Baile-televisão
Certa vez vendo televisão, passou um filme musical onde o personagem dançava muito, então sozinho em casa, pois a minha mãe tinha ido ao cabeleireiro, comecei a ensaiar alguns passos do moço da televisão com algumas adaptações minha, fiz diversas tentativas até chegar no ponto que eu queria, pois tinha que ser algo diferente e que todos depois não ficassem rindo de mim.
Baile-mãe-filho
Finalmente achei o ponto perfeito, estava pronto para encarar meu primeiro baile, mas assim mesmo antes, dancei para a minha mãe avaliar o mais novo "dançarino" dos bailes cariocas (detalhe: Não era Funk), ela sorrindo disse carinhosamente que estava orgulhosa de mim.

Claro que sabia que aqueles elogios eram de mãe e que no fundo já sabia qual seria a sua avaliação, então aproveitei a presença de minha irmã que sempre foi mais crítica e perguntei.

E qual a minha surpresa quando ela disse que estava muito bom que iria arrasar no baile e até queria saber aonde eu tinha aprendido.
Baile-bate-papo-amigos
Bom, final de semana chegou, meus colegas mais uma vez me chamaram para ir ao baile, só que dessa vez não precisaram insistir tanto para eu ir, causando espanto total.
Baile-arrumado
Já no baile, ainda indeciso para dar os primeiros passos da minha dança, comecei a observar todos dançando, a sentir que alguns eram até piores que eu e num quase total escuro ninguém notaria meus erros ao dançar.

Tomei coragem , respirei fundo, comecei a dançar, parecia que já era frequentador assíduo daquele baile, visto que, nem me importei se estavam olhando, rindo de mim ou algo assim.
Baile-dançando
A cada música que tocava, mais me empolgava no baile e percebia que alguns começavam a acompanhar os meus passos na dança, mas de repente depois de algumas horas na minha total descontração acontece o inesperado.
Baile-raiva
No escuro do baile dançando, esbarro num trocinho estranho, eu pensando ser um bicho ou sei lá o que, dei um baita chute e só ouvi um @&%(&""!! vindo do chão e para minha surpresa, era um anão (Felipe) que me xingava sem parar.
Baile-sorrisos
Todos começaram a rir da minha cara que a essa altura estava totalmente sem graça, eu apenas preocupado em convencer o hoje meu colega Felipe que foi sem querer.
Baile-parceiro
Finalmente depois de pedir mil vezes desculpas, ele as aceitou, passamos a ser parceiros nas danças do baile e uma espécie de pombo correio quando eu me interessava por alguma menina.

Lição: Não importa onde, nem como você conheça seus colegas, o mais importante é mostrar a eles que não pode haver discriminações e nem preconceitos.

Abraços e Beijos
Contos do Guri.

Comentários

  1. Bacana o texto, discriminação não é legal msm ! Gostei do conto, bjos

    ResponderExcluir
  2. oi!
    otimo texto e com uma maravilhosa mensagem :D
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. ADorei o texto, super leve. E realmente, discriminação não é nada legal.

    ResponderExcluir
  4. Muito legal o texto .sobre preconceito ñ é legal bjs

    ResponderExcluir
  5. QUE LEGAL O CONTO AMIGO
    DESCRIMINAÇÃO E PRECONCEITOS NUNCA

    ResponderExcluir
  6. Que lindo texto!
    Preconceito não está com nada, e o final feliz deixou o conto leve e cheio de inspiração.
    Gostei =)

    ResponderExcluir
  7. Muito legal Rafa, gostei do texto passa uma mensagem muito bacana. Amei as figurinhas viajei imaginando a história.

    ResponderExcluir
  8. Adorei o texto e novo design do blog parabéns te desejo todo sucesso do mundo.


    ResponderExcluir
  9. Bela lição! Discriminação nunca é legal!
    bj

    ResponderExcluir
  10. Oláa amei o texto adoreii, muitas pessoas passam por essas situações beijos

    ResponderExcluir
  11. kkkkkkkkkkk, é realmente as vezes pisamos na bola, você num anão.
    Fico feliz que vocês apesar do teu passo fora, ficaram amigos, isso é muito bacana Rafa, e fiquei impressionada em saber que tu é um exímio dançarino ...

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  12. Adorei, discriminação hoje em dia está em todos os lugares e não é legal mesmo. Abraços

    ResponderExcluir
  13. gostei do post discirminação é horrivel, que massa tu é um otimo dançarino :D

    ResponderExcluir
  14. Nada de discriminações e preconceitos e vivas as boas histórias jovens! Adorei o texto! Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…