Pular para o conteúdo principal

Translate

Um cara distraído

Distraído, talvez seja uma forma de defesa


Distraído, contudo um cara simples que procuro ficar no meu canto, gostando de observar as coisas, as pessoas a minha volta e até mesmo numa conversa com colegas tento observar cada ação que eles praticam, é como se fosse um alto conhecimento, uma comparação com o mundo que tenho dentro de mim e assim foi na minha infância, adolescência, juventude e nos dias atuais.
Distraído-sou-assim
Nunca gostei de falar sobre a minha pessoa, pois acho que elas se revelam por si só, acredito que invariavelmente quando falamos de nós mesmo podemos cair na arrogância dizendo somente as qualidades esquecendo defeitos que todos nós temos (é legal ser perfeito com seus traços de defeito, risos), então curto saber que ainda devo, posso, aprender e ensinar algo por esse "mundão" afora e que pensando dessa maneira, vou contar algumas situações engraçadas que aconteceram comigo, sem me preocupar se é uma qualidade ou defeito em ser um cara meio distraído, mas por achá-las um pouco engraçadas.
Distraído-barzinho
Fato é que sou mesmo distraído e num dia qualquer estava com meus colegas num barzinho na cidade que tínhamos escolhido para passar as férias, o papo estava bem descontraído sobre diversos assuntos e um deles seria o de encontrar uma companheira para que essa viagem fosse ainda mais animada, quase todos estavam "solteiros", menos eu que na viagem já teria conhecido uma pessoa que estava ali comigo e participava dessa nossa animada reunião.
Distraído-namorando
De repente meus colegas resolveram dar uma volta para conhecer a cidade e consequentemente arrumar uma companhia deixando eu e minha companheira a sós para que pudéssemos namorar tranquilamente sem ninguém para atrapalhar, desse modo eu e ela poderíamos nos conhecer melhor, pois tinha pouco tempo esse namoro e ela queria me conhecer por demais, visto que me enchia de perguntas, eu nada distraído gostava do seu jeito carinhoso de me tratar e cuidar, acho que eu estava me apaixonando.
Distraído-apenas
Conversa vai e vem me deu vontade de ir ao banheiro, mas ai que vem o meu lado distraído, pois ao ir no banheiro (do bar) fiz o impossível, acabei indo até a casa onde tínhamos alugado para passar as férias esquecendo a minha companheira no barzinho, em casa encontrei meus amigos conversando, me juntei a eles para participar da conversa, quando um deles perguntou se eu já tinha deixado a garota em casa, dei um berro dizendo que tinha esquecido ela no barzinho, saí em disparada de volta ao bar onde pacientemente ela ainda me esperava sair do banheiro (do bar), o detalhe que o bar era distante cerca de 30 minutos da minha casa onde verdadeiramente eu fui, Acho que até hoje ela não sabe desse meu lado distraído.
Distraído-uma-das-distrações
O outro caso foi num dia tranquilo na parada do ônibus indo ao meu trabalho, pacientemente aguardava a chegada dele, pois era costume a sua demora, um fato normal, embora não seja aceitável, mas que dava um tempo para conversas atoa enquanto a vinda do ônibus não acontecia, passaram-se alguns minutos (muitos) até que finalmente o esperado meio de minha locomoção para o trabalho aparecesse, todos da parada de ônibus começaram a se ajeitar para entrar, alguns chateados, outros não e eu bem... distraído.
Distraído-no-ônibus
E por ser um cara distraído, apressei em entrar logo para ocupar um lugar onde pudesse seguir meu destino sem atribulações, porém foi quando ao pagar a passagem ao cobrador do transporte que estendeu a sua mão para pegar o dinheiro da passagem, eu simplesmente ao invés de pagar, apenas cumprimentei o moço desejando-lhe um bom dia, com certeza ele não entendeu nada, mas logo em seguida mesmo sem jeito após mais esse acontecimento, paguei a passagem rapidamente para que ele não notasse que sou um cara distraído.

Esperem pelo próximo conto, prometo que não serei distraído.

Beijos, 
Contos do Gur



Comentários

  1. Oi!!
    Também sou muito distraída :) e não gosto de falar sobre mim. Mas amo ouvir histórias e ler também ;)
    Você escreve super bem!!!

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkk mas que guri mais distraído ....
    Realmente teus contos são engraçados, não só o teu período da infância como na fase adulta. Que sorte a tua que ela não percebeu Rafa kkkkkk

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  3. Kkkkk engraçado depois mas na hora ta raiva esta espero ñ descobra mesmo ,ê do onibus mostrou vc é educando nada de mas um abraço

    ResponderExcluir
  4. Caramba que menino distraído hein? rsrs gostei do conto.

    Beijos

    www.todaonca.com.br

    ResponderExcluir
  5. Quanta distração hein Rafa?
    Ai,ai,se isso acontecer comigo vou morrer de vergonha,acho que desço do ônibus na próxima parada..kkkk.
    Amee o conto Rafa,show!
    Bjsss

    ResponderExcluir
  6. adorei gui e eu também sou um pouco distraida bjus

    ResponderExcluir
  7. Gostei deste conto!! Nos faz lembrar de Pessoas que conhecemos que são um pouco destruídas rsrsrs...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…