Pular para o conteúdo principal

Translate

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol


Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.

Beijo-ensinamentos-pais

Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda dor de barriga.
Beijo-na-boca
Era noite, estava eu e Paula conversando, quando ela resolveu contar um capítulo da novela (não lembro qual), contou com tanto entusiasmo que nem interrompi e eu que nem gostava de novelas, mas prestei atenção, pois era ela quem contava, num momento da narrativa Paula fica mais empolgada ao falar do galã com a amada e em detalhes foi narrando os lances do casal em gestos e imitações, até no ponto que o mocinho da um beijo na sua amada, de repente pausa, Paula carinhosamente se aproxima e eu lembro da laranja de minha mãe e a maçã de meu pai, sem ação, gelado, sem saber ainda beijar, Paula percebe meu nervosismo, sorri e propõe uma brincadeira diferente (pra mim), tirar palito um da boca do outro, conforme fossem tirados, ela quebrava um pedaço, inevitável as bocas se tocariam e acabaria surgindo o beijo.
Beijo-com-amor
Sem perder tempo, Paula me pediu para abrir um pouco mais a boca, fazendo igual a ela e depois de duas vezes, ao abrir a boca mostrou um pedaço da sua língua me pedindo para que assim fizesse, a partir daí finalmente veio o meu primeiro beijo na boca, confesso que não foi uma perfeição, mas a cada um dado, ia gostando mais e assim naquela noite, beijo não faltou, pois vieram naturalmente sem a necessidade do auxílio dos tais palitos, porém restou-me a certeza que tinha conhecido a minha primeira namorada e ainda a emoção de aprender a dar meu primeiro beijo na boca.

Beijos 
Contos do Guri




Comentários

  1. Oie... Que legal o conto. É assim mesmo né, acho que todos um dia já passaram por tal experiência. rsrs

    ResponderExcluir
  2. oi!
    Adorei o Contos do Guri :D
    Você deveria lançar como livro.
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante do conto Rafael, várias pessoas já passaram por isso ;)
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Adorei o conto e quem não tem uma história divertida do seu primeiro beijo? Não sei se no caso esse foi seu primeiro beijo ou se é somente um conto (mesmo). rs Ficou bem legal a forma como escrevestes. Abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi Rafa, quem nunca passou por isso kkk gostei do conto!! Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Oi Rafa!!! De uma Paula para vc! hahahaha
    Adorei o texto, primeiro beijo é sempre uma novidade, uma coisa exitante e nervosa! ahhaha
    Adorei! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oii,

    Que fofo esse conto.
    Gostei da inocência demonstrada em palavras.
    Parabéns!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. é como voltar ao passado, nosso começo nessa fase é sempre estranho e ao mesmo tempo emocionante e engraçado rsrs
    Adorei Rafael, como diz a Joana, devias lançar um livro, tens talento de sobra ...

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com toda certeza o primeiro beijo a gente nunca esquece ... fica marcado ❤ 😍

      Excluir
  9. Que gracinha, gostei da historia do primeiro beijo.

    ResponderExcluir
  10. Que lindo, o primeiro beijo a gente nunca esquece néh. Amei ler essa história e quero ler mais. Beijos

    ResponderExcluir
  11. Mais um conto lindo, crianças já são curiosas em relação ao beijos, e o primeiro beijo não dar pra esquecer, Rafael bjs.

    ResponderExcluir
  12. Gostei bastante do conto, lembrei do meu primeiro beijo (foi terrível) kkkkkkk
    Beijoos :*

    ResponderExcluir
  13. Todo mundo ja passou por isso né
    Adorei o conto meu amigo

    ResponderExcluir
  14. Oi Rafa, muito bom este novo conto. Me identifiquei com o modo como sua mãe falava que era beijar,haha, já ouvi isso tbm kkk
    Excelente FDs.
    Abraços =)

    ResponderExcluir
  15. muito bacana o conto, leve e divertido, e claro, com um tom de emoção que é inevitável nessa experiência. parabéns Rafael,bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…