Pular para o conteúdo principal

Translate

Seguindo viagem

Viagem é você esquecer o mundo real e entra nos dos sonhos


Viagem. Continuando a narrativa do conto anterior, onde estava me preparando para a minha primeira viagem, meus amigos como era o esperado, não quiseram ir, pois tinham marcado outra coisa para fazer. Sendo assim, me despedi de meus pais, mas não sem antes minha mãe traçar um "bordado" de recomendações (normal).
Viagem-rodoviária-noite
Era noite, estava a caminho da rodoviária sem ainda saber qual seria o roteiro desse minha viagem, pois queria decidir quando lá chegasse para ser uma novidade, ou seja, fazer de modo diferente, sem nada programar, acabei por escolher Cataguases em Minas Gerais e uma mistura de ansiedade e nervosismo caiu sobre mim quando no ônibus entrei, contudo para mim era um algo a mais, não sei explicar, pois gostava da viagem pelo fato que de certa maneira me proporcionaria um crescimento pessoal, ou talvez fosse isso que pretendia que acontecesse.
Viagem-de-mochila
Tudo era novo, então fui vendo onde era minha poltrona e assim pude deixar minha mochila no seu devido lugar, sei que muitos deveriam pensar ser mais uma aventura de adolescente, já sentado esperando a partida olhava tudo pela janela do ônibus imaginando como seria essa cidade que escolhi para conhecer, ao meu lado sentou-se uma senhora muito educada me dando boa noite e eu prontamente a respondi, seria a minha companheira de viagem.
Viagem-ônibus-rodoviária
Bom, o ônibus começou seu caminho rumo a Cataguases, eu animado com essa viagem nem pensei o quanto de tempo levaria, mas isso a senhora ao meu lado disse, alguns minutos depois. Dona Efigênia, a senhora que falei anteriormente, lembram? Pois então, carinhosamente e cuidadosamente mostrava-me o álbum dos seus netinhos, talvez por perceber a minha ansiedade e nervosismo nessa primeira viagem e quase sem respirar contava-me as travessuras do netinho mais novo, no que eu a ouvia atentamente, pois de certo modo me ajudava acalmar.
Viagem-cidade-interior
As horas foram se passando, quando finalmente chegamos de viagem a cidade de Cataguases, me despedi de Dona Efigênia e comecei a olhar em volta na procura de um lugar aberto onde pudesse dormir, já eram duas horas da madrugada e a cidade estava deserta (soube mais tarde que todos dormiam cedo).
Viagem-caminhando
Andei para lá, pra cá e nada de encontrar uma pousada, hotel, ou qualquer estabelecimento que pudesse me abrigar até o dia amanhecer, numa dessas andanças avistei um senhor sentado na soleira de sua casa, com seu cigarro de palha na mão, ao chegar a sua frente, ele educadamente me deu um bom dia e disse chamar-se Januário, eu meio que assustado (aqui no Rio de Janeiro é fato raro cumprimentar estranhos), respondi ao seu bom dia e aproveitando já fui perguntando se conhecia algum lugar onde poderia me abrigar pelo menos naquela madrugada, pois estava chegando de viagem.
Viagem-recebido-idosos
De repente o senhor Januário, se levantou me pedindo para que o aguardasse entrando logo em seguida na sua modesta casa, confesso que esse seu gesto inesperado me assustou, imaginei que tivesse entrado para pegar uma espingarda ou algo nesse gênero para me colocar pra correr, embora não tivesse feito nada para tal fato, mas como eu era um estranho naquela cidade vindo de viagem de uma outra onde a violência naquela época já era destaque nos meios de comunicação, só poderia ter esse tipo pensamento, todavia resolvi ficar a espera do senhor Januário, de repente as luzes de sua casinha acenderam, chega ele na porta com sua esposa Dona Eugênia que gentilmente me convida para entrar.
Viagem-lanche
Desconfiado dessa da atitude deles entrei e qual foi a minha surpresa quando o senhor Januário me apresentou seus filhos Geraldino (mais velho), Francisco não bastando isso, ela tinha colocado uma mesa cheia de coisas deliciosas para que eu pudesse me alimentar, fiquei sem palavras, olhava aquilo tudo sem saber como reagir, estava realmente emocionado, todos tinham o semblante de ternura, me convidaram para aquele "lanchinho" para que eu pudesse me recuperar da viagem, sentaram em volta da mesa numa demonstração clara de acolhimento e começaram a contar coisas de sua cidade e suas "vidas", emocionado, não sabia como falar algo diante de tanta paz, ternura e encanto daquele momento.
Viagem-dormindo-acordando
Senhor Januário pediu a dona Eugênia que arruma-se um cantinho para eu dormir, Geraldino e Francisco me desejaram um bom descanso indo para seus quartos, assim que arrumei o meu "cantinho", senhor Januário e dona Eugênia despediram também se recolhendo, não sem antes me desejarem também um bom descanso. Acordei sonolento, pensei ser tarde, não tinha noção das horas, todos me deram bom dia, dona Eugênia apressou-se me servir café enquanto senhor Januário conversava comigo sobre a cidade, lugares que eu iria gostar de conhecer nessa minha viagem, durante o papo perguntei onde teria algum lugar para me alojar, mas o senhor Januário desconversava.
Viagem-casal-idosos
Assim foi se passando o dia, chegou a hora do almoço senhor Januário e dona Eugênia observavam a todos que estavam á mesa e eu me sentindo em casa, foi quando o senhor Januário pede a palavra, comunica que em conversa comigo, eu tinha aceitado ficar na casa deles, mais uma vez fui surpreendido e não sabia o que falar, mas todos gostaram da ideia e ficaram felizes por ter aceito o convite deles e assim foram-se os dias nessa minha viagem. Já me chamavam de irmão e o senhor e senhora Januário de "o filho carioquinha".
Viagem-voltando-pra-casa
Quando chegou ao sétimo dia, tinha que ir embora, fazer a minha viagem de volta, sabia que seria difícil comunicar a eles sobre a minha partida, pois estava sendo pra mim também, enchi o peito de coragem e falei, nunca tinha falado tanto, acredito que estava acumulado desde a minha chegada, o senhor Januário me deu um abraço apertado e emocionado juntamente com sua esposa que não escondia as lágrimas, seus filhos (Geraldino e Francisco) me abraçaram e falaram: "Boa viagem irmão", Todos esses instantes foram de pura emoção com a promessa de uma volta (já cumprida) de rever essa família que tinha me "adotado" nessa minha viagem.

Tirei uma lição dessa minha primeira viagem, que pessoas do bem existem sim e não depende do seu poder aquisitivo ou cultural para ajudar e compartilhar amor, ternura, carinho, mas tão somente ter um coração puro, sem maldades, como a família do senhor Januário.

Beijos
Contos do Guri

Comentários

  1. Que bela história, faz a esperança de acreditar nas pessoas fluir, muito bonito o gesto dessa família de te acolher.

    ResponderExcluir
  2. Bom saber q nem tudo está perdido nesse mundo tão louco que vivemos!! Show!

    ResponderExcluir
  3. oi!
    viajar sempre é muito bom :D
    Muito gentil essa família que te acolheu, precisamos de mais pessoas assim no mundo.
    bjo

    ResponderExcluir
  4. Viajar já é maravilhoso, e conhecer pessoas de bem é melhor ainda, principalmente num mundo maluco como o que estamos vivendo no momento ...
    Gostei da tua narrativa Rafa!

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  5. Ameeeeeei demais seu jeito de escrever. A facilidade de expressão, de eloquência com singeleza.
    Texto maravilhoso Rafa,uma linda história...Cataguazes...uma cidade mineira que quando era adolescente sempre ia lá,a cidade de meu saudoso pai...
    Parabéns pela linda história.
    Bjsss

    ResponderExcluir
  6. Amei sua narrativa. é tão gostoso embarcarmos nos contos alheios.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Viajei contigo nesse conto, que família acolhedora.

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia esse seu blog, já dei uma espiada e achei muito legal.
    Dei uma olhada nas historias e me amarrei, vou voltar para ler com calma.
    Essa narrativa da sua viagem me encantou e quis conhecer mais um pouco.
    Parabéns pelo blog e pela historia tão bem escrita!
    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto muito de viajar, conhecer pessoas boas é melhor ainda. As vezes nos surpreendemos com as pessoas.

    ResponderExcluir
  10. Que historia linda e emocionante.
    Tenho certeza que isso ficou na sua memoria pra sempre ne bjs

    ResponderExcluir
  11. fiquei emocionada com o texto, acho muito importante conhecer novas pesosas e fazer novas amizades

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Esse tanto tempo

Tempo brinca na vida, quando vamos ver, não há mais tempo
O tempo não me roubava vocêNum tempo em que nada me roubava você  eram seus olhos que podiam tocar todos os meus momentos  As suas palavras pulsavam como um sempre no meu coração  Minhas imaginações trasbordavam de um novo mundo todos os dias com você Isso o tempo malvado levou e aqueles momentos juntos com você se foram  pra bem longe de mim  Os seus olhos parecem estar proibidos de tocarem 
aqueles momentos nesse hoje Mas suas palavras ainda estão aqui como sempre,  não são como antes por não poder ouvir como antes,  mas sim como posso agora Sabe aquele jeito que você tem quando assopra tirando o cabelo do rosto?  Na minha imaginação é um jeito seu de me seduzir, engraçado né? E sem saber você me conquistava cada vez mais,  eu sei do medo que tem...  Sim foram muitas coisas que aconteceram durante esse tempo Esse tanto tempo que fez sem remorso acontecer espaços,  acho que a minha insegurança que ficou mais visível que a sua  É, acho que isso é…

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…