Pular para o conteúdo principal

Translate

Preconceito?

Preconceito, um modo de ocultar as nossas fraquezas


Preconceito ouvi essa palavra pela primeira vez quando eu deveria ter uns 8 anos de idade quando conheci um possível preconceito, não sabia o significado desse termo até então ou talvez fosse coisas da minha cabeça que tivesse acontecido realmente algo nesse sentido, porém a verdade é que naquele dia, bem...

Era um dia comum na minha sala de aula, a "tia" (assim era chamada a professora) ensinava para nossa turma do primário (ensino fundamental) normalmente, eu ficava bem no fundo da sala, pois achava que lá teria uma visão por completo do quadro negro e de toda sala de aula.
Preconceito-sala-de-aula
A sala era dividida em três colunas de mesas e cadeiras, a coluna da direita, do centro, da esquerda. Eu sentava na do centro e uma colega da raça negra (que vou chamar de Bernadete, nome fictício) a direita, também no fundo da sala.
Preconceito-fez-xixi

Durante a aula Bernadete levantou o dedo pedido para ir ao banheiro e a "tia" (professora) nada de ver, passaram-se alguns instantes Bernadete tornou a levantar o dedo já parecendo aflita, mais uma vez a "tia" nada viu. Olhando a aflição da Bernadete, tentei saber o que tanto queria com a "tia", mas por timidez ou qualquer outra coisa, não me disse, contudo, persistia em levantar o dedo para que a "tia" visse (em vão), nisso vi uma poça d'água vindo de sua direção, logo imaginei que Bernadete estivesse querendo ir ao banheiro quando levantava o dedo repetitivamente e cada vez mais ansiosa e a "tia" nem notara, aliás, só percebeu quando ocorrido já tinha acontecido.
Preconceito-professora-briga-aluna
Não preciso dizer que a Bernadete entrou em pânico, eu vendo aquela situação desesperadora dela, torcia para que a "tia" verdadeiramente nem percebesse, mas a minha torcida foi atoa, pois a "tia" não somente viu, como começou a falar alto em bom som que a menina tinha feito xixi no chão e sem parar, chamou-a de porca, sem educação, indisciplinada em ter feito aquilo durante a sua aula, isso é preconceito?
Preconceito-turma-da-gargalhada
Nossa! A turma toda olhou para traz começando a dar gargalhadas daquela lamentável situação (seria uma atitude de preconceito?), nem preciso dizer que Bernadete começou a chorar sem parar, não me segurando, levantei da cadeira falando:"Tia a senhora está errada, pois ela cansou de levantar o dedo várias vezes pedindo a sua atenção, mas a senhora nem ligou" a professora sem me responder, encerrou o assunto ordenando que todos fossem merendar.
Preconceito-pátio-da-escola
No pátio do colégio onde merendávamos as outras meninas da turma olhavam para a Bernadete e continuavam rindo sem parar e cada vez mais deixando-a constrangida(isso é preconceito?), sentindo isso, cheguei perto dela, perguntando se não iria merendar, no que me respondeu dizendo não ter levado merenda, sendo assim, como levo um pão doce e um refrigerante todos os dias, achei por bem dar a minha merenda para ela, quem sabe assim parasse de chorar.
Preconceito-professora-aviso
A "tia" viu esse meu ato, me chamou para que fosse até ela, me perguntou o porque de ter feito aquilo (dar minha merenda para Bernadete), prontamente respondi que ela estava muito triste com o que aconteceu na sala de aula e ali no pátio todos continuavam rindo dela não querendo-a por perto e como levo merenda todos os dias, achei que o melhor seria dar a minha merenda a ela, pois não me faria falta e para ela seria melhor, a "tia' me olhou e disse: "Está certo, mas nunca mais faça isso, viu?" (seria outra atitude de preconceito?) Eu não sei se ela estava certa, mas a verdade é que depois daquele dia, eu desobedeci a "tia" várias vezes.

Lição: Na minha opinião esse tipo de atitude devia ser proibido entre os professores e alunos, todos deveriam ser tratados em pé de igualdade, pois que mensagem uma professora dessas passa aos alunos?

Vocês acharam que houve preconceito? Opinem!

Beijos,
Contos do Guri

Comentários

  1. E amado é muito ruim o o preconceito ainda mais vindo de uma professora né! beijinhosssssss
    Rúbia

    ResponderExcluir
  2. Preconceito infelizmente ainda existem, e acho mais incrível que o preconceito venha de uma professora, que estudou, se formou, o exemplo em uma sala de aula tem que ser do professor, Rafael abraços.

    ResponderExcluir
  3. O preconceito é triste e destrói a alma e vindo de quem deveria ensinar a criança exatamente a ser generosa com os colegas,é dose viu.Mas existe e devemos combater.òtimo artigo,bjus.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente ainda existe preconceito :/
    A criança aprende tudo quilo que lhe é passado, e é triste ver alguem que deveria passar caráter virtue e respeito enresinando o preconceito

    ResponderExcluir
  5. tambem acho todos são iguais e deve ser trato igual eu acho isso que esta professora fez uma besteira

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Sim, acontece muito infelizmente, e isso acaba afetando as crianças negativamente.
    Achei linda tua atitude Rafa, mesmo eu não gostando de desobediência, achei que nesse caso que você fez bem!

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  7. Que história mais triste e que professora mal educada e desinformada. Provavelmente ela tinha ouro na dobrinha da orelha pra se sentir superior assim. Somos todos iguais e melhor ainda a tua atitude, afinal não estavas fazendo nada de errado. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Você está correto amigo!!
    Isso não se faz com ninguém. menos
    A errada foi a professora que não atendeu ao pedido da aluna, ocasionando o episódio triste.Ainda bem que você estava lá e consolou a amiguinha,deixando-a menos constrangida com o seu ato.Bjssss

    ResponderExcluir
  9. Com certeza houve preconceito. Na minha opinião uma professora assim não merece a profissão que tem.
    Linda sua atitude de ajudar a colega, parabéns.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Com certeza na minha opinião houve preconceito. Acho que uma professora assim está na profissão errada,já que elas são um dos primeiros espelhos das crianças depois dos pais.
    Sua atitude foi linda!
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. a professora agiu mal e humilhou a menina, que tristeza. você agiu corretamente, tenho certeza que ela jamais vai esquecer da tua compreensão, bjs

    ResponderExcluir
  12. O preconceito pode não ser visto bem claro entre as pessoas, mas sempre há! Uma História dessa é para nos refletir sobre isso, uma coisa tao vergonhosa do ser humano! Parabéns pelo post e bjs!

    ResponderExcluir
  13. Sim,a professora agiu muito mal,mas antigamente era assim mesmo,elas abusavam da autoridade,e não adiantava falar com os pais que eles agraddecião,sempre avia isso na sala de aula.
    Tbm sofrir muito preconceito por ser super magra,mas como era um tantão atrevida,respondia a altura,me chamavão de caniço,e eu os chama de baleia, etc.
    Que pena que naquela época ñ escistia justiça,mas por outro lado,escistia mais respeito,entre os professores,os pais etc.
    Amei o post Rafa,parabéns.
    Bjsss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…