Pular para o conteúdo principal

Translate

Meu troféu

Troféu, alguns levamos para a vida toda


Troféu. Um domingo dia dos pais, como de costume meu avô gostava de reunir a família na casa dele para um almoço, uma espécie de reunião familiar e lá estavam, eu, meu pai, minha mãe, irmã, tia, tio e outras pessoas mais.

Confesso que não gostava muito de ir, pois queria mesmo é ficar na minha rua brincando com meus amiguinhos e na casa de meu avô só teria gente grande que só brincam com crianças quando não tem outra gente grande para conversar, então ficava arrumando coisas para fazer na casa de meu avô, pois somente assim o tempo passaria, acredito que minha irmã gostava de ir (pelo menos não reclamava).
Troféu-e-todos-reunidos
Meu pai batia papo com meu avô e meu tio colocando as conversas em dia, já minha mãe com minha tia e outras moças que até hoje não sei se são da família, talvez quisessem aproveitar o almoço, pois a comida feita pela "empregada" de meu avô era sempre deliciosa (isso não posso negar) e minha irmã ficava junto dessas moças e eu, bem... a procura de um troféu.
Troféu-relógio-Cuco
Bom, como estava dizendo anteriormente, estava a procura de algo para fazer o tempo passar, até que resolvi acabar com o meu medo de uma certa coisinha que tinha no relógio de parede da casa do meu avô, o tal do Cuco, sim isso mesmo, esse passarinho ou sei lá que bicho era, sempre me dava medo, pois de tempos em tempos ele abria uma janela e feito um louco gritava: "Cuco!" (esse era o meu troféu).

Tinham momentos então que o meu medo era maior, pois o danadinho ficava mais tempo gritando: "Cuco! Cuco!" e eu tinha que vencer essa minha batalha particular com esse danadinho transformando ele num troféu.
Troféu-vassoura-na-mão
Será hoje de qualquer jeito que irei enfrentar esse danado virando o meu troféu, resolvi arquitetar um plano para poder de vez acabar com o meu medo dele e também expulsa-lo daquela janela. Mas como fazer isso, Já que ele ficava num lugar que ainda não o alcançava?

Resolvi ficar observando em quais momentos ele aparecia mais vezes e demorava um pouco mais, feito isso, peguei a vassoura da casa do meu avô e esperei o melhor momento para finalmente atacá-lo e esse instante chegou, subi na cadeira na espera do danado me posicionei, finalmente num ato ligeiro e de coragem, eu "taquei" a vassoura nele, o lance foi tão perfeito que nem deu para ele falar "cuco", pronto, finalmente o danadinho virou troféu.
Troféu-meu-avô-meu-pai
Glorioso do meu ato certeiro e heroico, pois tinha medo dele, lembram? Fui todo feliz levar o "troféu" ao meu pai e avô que na certa teriam orgulho do meu feito, pois bem, eles me olharam, ficaram de bocas abertas e a princípio não disseram nada até eu falar com ar de bravura: "Pai, vô, eu consegui acabar com o danadinho", meu avô olhou para o meu pai e sem pronunciar uma só palavra, os dois começaram a rir, eu sem entender o motivo de tantos risos perguntei: "Porque vocês estão rindo?" Foi quando meu avô respondeu: "Muito bem Rafael, você é agora o Poderoso" e meu pai pesando o que eu poderia estar imaginando depois que me avô disse ser eu o poderoso e agora também com orgulho o com de ter o troféu na mão.
Troféu-relógio-sem-cuco-funciona
Só uma coisa algum tempo mais tarde não entendia, o por que mesmo sem o danadinho estando mais na janela, ela continuava abrindo e assim mesmo podia ouvi-lo falando "cuco!" "cuco!", acredito que ele (danadinho) estava querendo desvalorizar o meu troféu de poderoso.

Beijos
Contos do Guri


Comentários

  1. Oi!!!
    Nossa!!! Você era um menino levado :D
    Adoro seus contos :) mostra a inocência de crianças.
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Nossa senhora imagino o que seu avô sentiu na hora que você acertou em cheio o cuco rsrsrs
    Adorei essa sua história!
    Bjcas
    www.estou-crescendo.com

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkk, estou aqui rindo e posso sentir a sensação de seu avô e pai rindo desse ato de heroísmo.

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkk caraca Rafa tu sempre foi danado, eu ia ficar maluca se meus filhos fossem assim kkkkkk
    Imagino a cara deles te olhando ... Nada melhor do que a inocência de uma criança para alegrar nosso dia, mesmo quando apronta das suas ..
    Adorei!

    Bjos
    Minda ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  5. Nossa mais que criança levada em risos
    adorei a historia

    ResponderExcluir
  6. Rafa tu aprontava hein kkkk
    Imagino como seu avô ficou kkkk
    Gostei do conto de hj vc esta de parabéns.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Nossa que sapequice hein? coitado do seu avô! abraço

    ResponderExcluir
  8. Muito levado mesmo, amei a narração! Beijos

    ResponderExcluir
  9. EU NÃO ACREDITO QUE EU NÃO FUI A ÚNICA!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Eu tinha medo do cuco da minha avó!
    O tempo passou, eu cresci, ela faleceu, e ganhei de herança o cuco que fez parte da minha infância!
    Hoje ele está lindo e conservado pendurado na minha sala!
    bju

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…