Páginas

sábado, 1 de março de 2014

Eu, o relógio e Nacional Kid

Relógio marca as horas de um tempo que não vai voltar

Era uma tarde qualquer ou deveria de ser, minha mãe na cozinha preparava o jantar para quando a noite chegar, eu com meus 6 anos de idade, estava sentadinho no sofá da sala vendo televisão no canal do meu super herói favorito, o Nacional Kid.
Relógio-Nacional-Kid
Minha mãe com o costume de me deixar três horas em casa após o almoço para que segundo ela a digestão fosse perfeita, no quarto (como sempre) minha irmã brincava de professora com suas bonecas e não sei porque, dessa vez ela não me chamou para fazer parte da sua turma de "alunos", acredito por eu estar muito quieto, ou pelo menos assim parecia vendo Nacional Kid na televisão imaginando como eu iria ajudá-lo no combate contra os invasores.
Relógio-de-pêndulo
Olhei o relógio da sala e me deu a ideia que dois Nacional Kid, poderia ser mais fácil de "salvar a Terra dos invasores" e da minha casa também, é claro, então eu teria que me transformar num, mas como? Pensei, pensei e tive a ideia de ir ao banheiro fazer de uma toalha a minha asa, (Nacional Kid voava).

Bom, arrumei a asa, mas agora como voar? Novamente, pensei, pensei, resolvi subir no móvel da sala onde estava o relógio, imaginando se eu subisse nele poderia ficar ainda mais alto e esse meu "voo" de ajuda a Terra contra os invasores seria melhor.

Já em cima do relógio e nas alturas, me preparei para o"voo", não preciso dizer muito que fui ao chão junto com tudo e o relógio para meu desespero fez um grande barulho e ainda o danado começou a tocar musiquinhas. 
Relógio-Nacional-Kid
Minha mãe apavorada apareceu me encontrou no chão com o relógio tocando, eu com a cara mais tranquila do mundo disse: "Mãe consegui ajudar o Nacional Kid a pegar os invasores protegi a senhora, o seu relógio também ajudou tocando o alarme anunciando que eles estavam próximos, agora não sei o porque dele ainda continuar alertando de mais invasores, será que tem mais e não vi?"

Minha mãe vendo que tudo estava bem comigo, ficou mais calma e disse: "Filho, a Terra e a mamãe estarão sempre protegidas por você, pelo papai e sua irmã, logo, não precisa ter outro Nacional Kid, deixa aquele cuidar de quem realmente precise e não tem ninguém para ajudá-los e quanto ao relógio, talvez mamãe nem queira consertá-lo mais, assim sempre que você olhar para ele quebrado, verá que nunca terá "invasores" aqui em casa.

Logo em seguida, me deu um beijo e tornou a falar baixinho: "Mamãe está feliz por você, papai e sua irmã, cuidarem de mim e da nossa casa"

Quando se tem carinho, como esquecer dessa infância feliz?

Beijos,
Contos do Guri


10 comentários:

  1. verdade quando se tem carinho nem se deve esquecer que teve uma infancia feliz mesmo ..adorei o texto

    ResponderExcluir
  2. Amei a historinha,tens uma imaginação fértil hein!
    Toda mãe gostaria de ter um nacional kid em sua vida,alguém que a proteja.
    Pena que nem sempre é o que acontece.
    Bjsss

    ResponderExcluir
  3. Que mãezona heim?
    Compaixão, amor, e muita compreensão envolvidos!
    Adorei o conto!
    bju

    ResponderExcluir
  4. Rafael crianças tem tantas brincadeiras, a imaginação delas vai além, todos nós quando éramos crianças tinha também fantasias, Rafael bjs.

    ResponderExcluir
  5. Que historinha graciosa! Mãe, eterna rainha!

    ResponderExcluir
  6. Imaginação de criança é tudo, amei a história.

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto, nada melhor como o amor de mãe que alimenta mais ainda a imaginação da criança! bjo

    ResponderExcluir
  8. Amei o Texto!!
    a imaginação é muito importante para as crianças pequenas e nós as grandes!rsr
    bjúús

    ResponderExcluir
  9. Que história legal ameii demais beijos

    ResponderExcluir
  10. Gostei do conto rafa esta de parabéns bjs

    ResponderExcluir