Pular para o conteúdo principal

Translate

A mudança chegou

Mudança que nos obriga a mudar


Num dia da semana não me lembro qual sem mudança a nossa rotina da minha rua, pois sempre estava cheia e num fim de tarde parecia que estávamos de férias, enquanto nós meninos jogávamos bola, as meninas brincavam de corda.
Até ai tudo bem, não fosse a aparição de repente de um caminhão que entrou na rua despertando curiosidade, não era costume ter movimentações de carros, principalmente sendo um caminhão de mudança fazendo aumentar ainda mais o nosso interesse em saber quem iria embora ou chegaria para morar na nossa rua.
Mudança
Quando finalmente o caminhão de mudança parou, um dos meus colegas logo perguntou ao moço se chegaria ou sairia morador, ele sorrindo disse que estava chegando e a nossa torcida para que fosse uma menina foi respondida mais uma vez por ele ao falar que seriam duas meninas, para a nossa alegria e tristeza para as meninas da rua.
Mudança-brincando
Alguns instantes depois, as novas moradoras chegaram, sendo que uma bem nova e a outra da nossa idade (eram irmãs), com isso o futebol parou para apreciarmos as novas moradoras, não sei porque virou um "show" de exibicionismo do lado dos meninos, todos querendo mostrar as suas qualidades para as meninas que chegaram junto com a mudança, porém de longe observava todo esse comportamento dos meus colegas e a reação que elas teriam quando percebesse esse fato.
Mudança-arrumadinho
Aos poucos aquela tarde foi virando noite, então resolvi ir para casa sem conseguir tirar a imagem da nova moradora da cabeça, era hábito nosso brincar depois das oito da noite, apesar de nunca combinarmos algo nesse sentido, todos apareciam para brincar e naquela noite resolvi ir mais arrumadinho, talvez fosse também para impressionar a nova moradora, pois até a minha mãe não entendeu o motivo desse meu capricho e comentou que estava parecendo um "homenzinho", de fato depois desse comentário, me senti mesmo um e ao invés de me juntar aos meninos, preferi ficar sentadinho num banquinho olhando eles se divertirem.
Mudança-conversando
Passaram-se alguns minutos sem que percebesse (sou um cadinho distraído), alguém senta ao meu lado, adivinhem quem? Sim, isso mesmo a nova moradora que logo puxou conversa se apresentando como sendo Paula e eu retribui a apresentação falando o meu nome.
Mudança-amigos-conversas
Situação provocou uma reação na turma que passaram a observar eu e Paula querendo saber qual seria a nossa conversa, pois em dados momentos riamos muito e a cada risada nossa, era mais uma interrogação surgindo nas cabeças deles, principalmente o me colega Kiko, talvez fosse ele o mais interessado nas meninas que chegaram junto com o caminhão de mudança.

E assim foi, até que a mãe de Paula a chamou para ir para casa, nos despedimos com a promessa de no dia seguinte continuarmos a conversa, sem notar, Paula tinha esquecido de dar um até logo para o pessoal, eles ansiosos ficaram ainda querendo saber o que conversei com Paula, mas fui para casa com a certeza que naquela noite algo naquela mudança tinha mudado em mim...

E isso é uma outra história, para um outro pôr do sol. Aguardem!

Beijos 
Contos do Guri

Comentários

  1. Oii Rafa, quero mais... nossa primeira paquera a gente não esquece!! Abraço

    ResponderExcluir
  2. Rafael legal a história, meninas sempre mexem com os meninos, essa história é o início de um amor, será? Rafael abraços.

    ResponderExcluir
  3. Adoro seu conto este episódio da paquera quem nunca kkk
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. oi!
    Que lindo :D o primeiro amor.
    Adoro os Contos do Guri.
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Como é boa essa fase onde os sonhos, as esperanças e a alegria das primeiras vezes são sempre tão esperadas ...
    Achei super fofa tua história Rafa, acabei por lembrar de mim nessa fase ...

    Bjos ❤ 😍 👍

    ResponderExcluir
  6. Engraçado a conquista começa desde criança né li a história e fiquei pensando que era bem assim que acontecia quando eu era criança.
    Adorei a história e já estou ansiosa pela continuação.

    ResponderExcluir
  7. Vou querer saber a continuação rs Na minha época de guria também brincávamos na rua, porém até escurecer e quando o último raio de sol fosse embora era hora de estar com os dois pés dentro de casa. Brincávamos todos juntos, guris e gurias... isso quando eu não brincava com meu irmão e os amigos dele... ótima época. Abraços

    ResponderExcluir
  8. Haha bem assim mesmo na infância, chega da saudades... quero ver a continuação :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Que história hein!
    agente sempre volta ao passado,pena que hoje em dia ñ é mais assim...Eu não brinquei muito deste jeito,mas assistia muito meu irmão brincar, e era assim mesmo.
    Bjsss

    ResponderExcluir
  10. Que conto lindo o primeiro amor amei rafa bjs

    ResponderExcluir
  11. Adorei o conto.
    Como o tempo era bom e inocente antigamente né?
    Continue pois estou amando!
    bju

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor a luz do dia

Amor e a contemplação dele na luz de um dia
Caminham as horas no dia nublado com sol...  Imaginando encontrar você ao acordar  Ligo... A ligação não é completada  Então lhe chamo no silêncio que ficou...  Sim! Vem a mim todos momentos que eu pude ser seu As cumplicidades das madrugadas pareciam terem vidas...  Vidas que agora recordo Dentro das asas do tempo chegávamos voando até o quarto do éden...  Pairávamos no ar entre paredes coloridas do amor  O cheiro era suave desse amor... Jardins, flores, nós... Sempre, nós O seu olhar castanho escuro brilhava ao ver além do que sonhávamos...  Num lugar mágico, vivíamos, ricos de cores e sabores...  E assim o cinza do céu dava lugar ao sol, visto através das nossas almas apaixonadas...  Era a forma mais bonita quando o sol refletia seu corpo pra mim, encanto  Em sonhos, puxava você para os meus braços, beijava lentamente até seu despir...  Hum... Cabelos longos, pele branca e macia... Mistura de anjo e demônio...  Abria seu sorriso, encabulando o meu que obs…

Primeiro beijo

Beijo em um outro por do sol
Paula se mostrava uma menina extrovertida fazendo amizades com todos da rua rapidamente, nossas conversas eram constantes e eu particularmente começava a dividir meu tempo de brincadeiras com os meninos e as meninas (por causa de Paula), isso deixava meus colegas um tanto quanto enciumados, afinal a moradora nova dava mais atenção a mim e eu acabava deixando as vezes de brincar com eles para ficar com as meninas, uma forma indireta de ficar mais perto de Paula e quem sabe dar um meu primeiro beijo na boca.


Esse meu interesse foi também despertando o desejo de aprender dar beijo na boca, comecei a interrogar meus pais como fazer para saber beijar (na boca), eles riram e cada um ao seu modo tentava me explicar, minha mãe dizia que o beijo era como chupar laranja, já meu pai como morder uma maçã, aquilo de um certo modo confundia ainda mais a minha cabeça, mas mesmo assim, vivia chupando laranja, ou mordendo maçã e foram tantas que acabou me dando uma tremenda…

Dia D!

Dia "D" quem na vida não teve um dia assim?
Dia "D", então... Naquele dia a tardinha, minha mãe estava no telefone não poderia imaginar o que viria me acontecer, sabia apenas que a minha mãe no telefone repetia meu nome e perguntava a outra pessoa que estava na linha se teria que ser no dia de hoje. Eu bem miudinho brincando com minhas caixinhas com aquela curiosidade em saber o por que de minha mãe falar tanto no meu nome para a outra pessoa, mas finalmente desligado o telefone minha mãe disse que iria me dar banho, pois sairíamos no dia de hoje pra visitar um moço, foi quando descobri que esse moço era na verdade o doutor Pascoalino (meu pediatra).
Parecia uma visita comum num dia também comum, visto que eu estava bem de saúde, mas enganei-me, pois aquela visita seria para saber se eu tinha uma tal de fimose, nunca ouvi falar desse nome e nem sabia onde ficava essa coisa, mas nesse dia ao chegar lá, tinha um moço todo de branco ( doutor Pascoalino) com um treco pen…